Rodoviários são roubados e ônibus param de circular no fim de linha da Fazenda Grande do Retiro

Policiamento da região foi reforçada pela Polícia Militar

Publicado em 28 de fevereiro de 2016 às 16:16

- Atualizado há 10 meses

Os ônibus pararam de circular no fim de linha da Fazenda Grande do Retiro desde o início da tarde deste domingo (28). Segundo o Sindicato dos Rodoviários, a decisão foi tomada depois que três rodoviários foram assaltados por dois bandidos dentro do módulo de descanso que a categoria tem no final de linha. Segundo Fábio Primo, vice-presidente do sindicato, não é a primeira vez que o módulo é assaltado e roubos em geral são comuns na área. 

"Por medida de segurança, achamos mais viável não ir até o final de linha (da Fazenda Grande). O descanso será feito na outra ponta (do destino)", explica Primo. Os ônibus vão até uma rotária próxima à região da "Gráfica", antes do fim de linha, e fazem o retorno. Circulam na área, normalmente, ônibus para Brotas, Itapuã, Ribeira, Pernambués, Lapa e Engenho Velho da Federação - nestas linhas, o descanso será feito no outro ponto do roteiro. Já na linha para a Barra, onde não há módulo, os rodoviários descansarão no Retiro.

Primo diz que os rodoviários assaltados prestaram queixa na Grupo Especial de Repressão ao Roubo em Coletivos (Gerrc) e que o policiamento foi reforçado na região pela Polícia Militar. "Não podemos ser ingratos nem injustos. A PM deu total apoio, disponibilizou viatura do grupamento da Gêmeos e o policiamento local também esteve presente. Mesmo assim, até como protesto, achamos melhor tirar esse fim de linha porque não é a primeira vez que acontece", diz.

"A gente fica com receio. Está todo mundo assustado. Voltamos a rodar, mas a gente só chega até a rotatória", disse ao CORREIO um motorista que faz a linha Fazenda Grande-Itapuã e prefere não se identificar. A estudante Tarine Almeida afirma que não há outro jeito senão esperar. "Vou na rua debaixo, que é até perto daqui, mas prefiro esperar o ônibus porque ir andando o risco que a gente corre é bem maior. Tá muito perigoso", diz.

Amanhã, o protesto deve continuar pela manhã e ao longo do dia a categoria pretende fazer negociações, podendo voltar a circular. Segundo Primo, os rodoviários gostariam de mudar o local do módulo de conforto porque é próximo de um trecho mais perigoso do bairro. "A gente entende que 99,9% dos moradores são pessoas de bem, e uma pequena parte faz esses delitos, por isso a gente não recolheu os carros", diz.

Em nota, a Polícia Militar nega informação de que houve arrastões no bairro e diz recebeu informação de que um celular foi roubado de um rodoviário no final de linha. Viaturas foram até o local para fazer diligências e tentar identificar a vítima e o autor. "Informa ainda que o policiamento está sendo intensificado na região com viaturas de radiopatrulhamento da Gêmeos e da 9ª CIPM", diz o texto, que ainda acrescenta que os ônibus estão circulando no local.

No último dia 16, os rodoviários pararam de circular no bairro por três horas, em protesto contra a violência na região.