SAÚDE

Estudo brasileiro revela benefícios da atividade física para pacientes idosos com câncer

A pesquisa é pioneira ao avaliar o impacto deste programa de exercícios físicos em pacientes da terceira idade

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 4 de junho de 2024 às 12:18

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa Crédito: Freepik

A prática de exercícios físicos regulares durante o tratamento de câncer tem um papel importante nos desfechos clínicos e na qualidade de vida do paciente. Um estudo inédito liderado pelo oncologista da Oncoclínicas&Co, Paulo Bergerot, revela os benefícios substanciais de um programa remoto e supervisionado de atividade física com duração de 12 semanas no bem-estar e nos sintomas da doença em idosos com câncer no Brasil. Os resultados da pesquisa foram apresentados no maior congresso de oncologia do mundo, o Encontro Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, que aconteceu em Chicago entre os dias 31 de maio a 04 de junho.

A pesquisa é pioneira ao avaliar o impacto deste programa de exercícios físicos em pacientes da terceira idade. Com a participação de 41 idosos, com idade média de 70 anos, foi prescrito um programa de atividades que incluiu exercícios de resistência e aeróbicos, realizados por 3 a 5 horas semanais (4 a 6 dias por semana).

Os tipos de câncer mais comuns entre os integrantes do estudo foram mama (26,8%), genitourinário (22,0%) e pulmão (17,1%), todos diagnosticados em estágios avançados. De acordo com Paulo Bergerot, ficaram evidenciadas melhorias notáveis em vários aspectos. “Entre os benefícios relatados estão a redução de dor, fadiga e náusea, além de uma diminuição significativa nos níveis de depressão e ansiedade”, afirma o médico.

Os resultados mostram que a incorporação deste programa remoto de atividade física pode ser uma estratégia eficaz não apenas para melhorar o bem-estar geral, mas também para minimizar os sintomas adversos associados ao tratamento oncológico.

“A implementação de projetos que estimulem a exercício físico no cotidiano dos pacientes idosos com câncer ou que proponham exercícios físicos podem representar um grande avanço oncologia e, certamente, pode ajudar sobremaneira na qualidade de vida dos pacientes e no manejo de efeitos colaterais de tratamentos em curso ou eventuais seqüelas de tratamentos anteriores”, ressalta o pesquisador.

A conclusão do estudo reforça a recomendação da prática de atividades físicas para pacientes com câncer e destaca a importância de desenvolver programas que sejam acessíveis e personalizados, especialmente para a população idosa.

“A prática de exercícios que já é bem estabelecida como medida preventiva a diversas doenças, incluindo câncer, deve cada vez mais ser vista como um componente de grande potencial, sendo capaz de contribuir significativamente durante o tratamento oncológico”, finaliza o oncologista.