Brasil ocupa 41º lugar em ranking de empoderamento feminino

Índice do país ficou em 0,637, o que o coloca entre as nações de médio-baixo empoderamento

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 14 de março de 2024 às 09:15

Imagem representativa
Imagem representativa Crédito: Shutterstock

Menos de 1% das mulheres e meninas de todo o mundo vivem em um país com alto índice de empoderamento feminino, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Uma análise feita pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pela ONU Mulheres revelou, em 2023, que as mulheres são capacitadas para alcançar, em média, apenas 60,7% do seu pleno potencial, segundo o pelo Índice de Empoderamento das Mulheres (WEI).

O índice mediu o empoderamento feminino de 114 países em cinco dimensões do desenvolvimento humano: vida e boa saúde; educação, desenvolvimento de competências e conhecimento; inclusão laboral e financeira; participação na tomada de decisões; e liberdade da violência.

Para cada dimensão, o cálculo levou em conta diferentes indicadores de cada nação, como nível de escolaridade entre mulheres, número de representantes femininas em cargos políticos e taxas de violência contra mulher e feminicídio. Como resultado, quanto mais próximo de 1 o WEI de um país, maior o empoderamento feminino.

Pelo ranking, a Suécia foi considerada o país onde as mulheres tem um maior índice de empoderamento, alcançando 0,828. Islândia (0,816) e Austrália (0,805) destacaram-se em segundo e terceiro lugar. Na classificação, o índice de empoderamento do Brasil ficou em 0,637, o que o coloca entre as nações de médio-baixo empoderamento, ocupando o 41º lugar.

Iêmen (0,141), Nigéria (0,307), Paquistão (0,337), Iraque (0,363), Líbano (0,372) e Congo (0,399) foram os países com pior resultado, com um índice de empoderamento feminino classificado como "baixo" pela ONU.

Segundo o levantamento da ONU, mulheres alcançam, em média, 72% do que os homens alcançam em dimensões-chave do desenvolvimento humano, refletindo uma lacuna de gênero de 28%.

O empoderamento das mulheres varia entre 43,2% do seu potencial total em países com baixo desenvolvimento humano e 73,4% em países com desenvolvimento humano muito elevado. No Norte de África e na Ásia Ocidental, a região com o menor empoderamento das mulheres, as mulheres são capacitadas para alcançar apenas 45,8% do seu pleno potencial.

Veja os primeiros colocados no índice de empoderamento feminino:

- Suécia (0,828)

- Islândia (0,816)

- Austrália (0,805)

- Dinamarca (0,804)

- Noruega (0,802)

- Bélgica (0,801)

- França (0,792)

- Eslovênia (0,791)

- Finlândia (0,787)

- Suíça (0,786)

- Canadá (0,783)

- Letônia (0,782)

- Áustria, Holanda e Reino Unido (0,778)

- Espanha (0,7730

- Alemanha (0,762)

- Irlanda (0,759)

- Polônia e Singapura (0,757)

- Lituânia (0,756)

- Estados Unidos (0,752)

- Estônia (0,750)