Homem é preso por matar esposa e deixar o corpo na frente da casa dos sogros

O corpo de Débora Michels foi encontrado sob um cobertor em uma rua do bairro Centenário, onde morava a família da vítima

  • D
  • Da Redação

Publicado em 29 de janeiro de 2024 às 21:11

O corpo de Débora Michels foi encontrado sob um cobertor na calçada da rua onde morava os pais da vítima
O corpo de Débora Michels foi encontrado sob um cobertor na calçada da rua onde morava os pais da vítima Crédito: Reprodução/Redes Sociais

Um homem foi preso na manhã deste domingo por matar a companheira e deixá-la em uma calçada de Montenegro, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Alexander Gunsch é o principal suspeito de ter assassinado a educadora física, Débora Michels, que tinha 30 anos de idade.

A Polícia Civil informou que a defesa do suspeito é feita pela Defensoria Pública e que os defensores não querem se manifestar no momento. As informações foram divulgadas pelo g1.

De acordo com a delegada Cleusa Spinato, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) do Vale do Caí, a polícia foi até a casa do suspeito por volta das 9h, onde ele se entregou e confessou o crime. Alexander teve a prisão preventiva decretada na noite de sábado (27).

O corpo de Débora Michels, que foi encontrada na madrugada de sexta-feira (26) sob um cobertor em uma rua do bairro Centenário, onde morava a família da vítima, foi sepultado neste sábado (27). A cerimônia de despedida ocorreu em uma capela de funerária da cidade. Por volta das 11h, o corpo da treinadora foi levado para o Cemitério Municipal de Montenegro, local onde aconteceu o enterro.

A polícia já havia ouvido o companheiro e solicitado a prisão preventiva, mas, na ocasião, segundo as investigações, o pedido não foi concedido pela Justiça. Em depoimento à polícia, o companheiro da vítima teria dito que ele e Débora começaram a discutir em casa, mas que a discussão acabou virando uma briga com mútuas agressões.

O suspeito confessou ter jogado a companheira contra um móvel. Ela teria perdido a consciência. Na sequência, ele teria levado a mulher para receber atendimento médico, mas, ao perceber que estava sem sinais vitais decidiu deixar ela numa calçada, em frente à casa dos pais dela.

"Foi revoltante essa situação. O que a família quer é justiça. Não dá para deixar ninguém impune", diz Alex Michels, irmão da vítima.

Segundo a delegada Cleusa Spinato, a polícia está tratando o caso como feminicídio e tem como principal suspeito do crime o companheiro de Débora, com quem a vítima era casada há dez anos.