STJD confirma denúncia e agenda julgamento de John Textor por acusações sem provas

O caso será julgado pela Primeira Comissão Disciplinar no dia 15 deste mês

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 3 de abril de 2024 às 15:02

John Textor, dono da SAF do Botafogo
John Textor, dono da SAF do Botafogo Crédito: Vitor Silva/Botafogo

Após uma série de declarações polêmicas, o americano John Textor foi denunciado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) nesta quarta-feira. O dono da SAF do Botafogo será julgado por não apresentar provas das acusações de corrupção que fez sobre o futebol brasileiro nas últimas semanas O caso será julgado pela Primeira Comissão Disciplinar no dia 15 deste mês, às 13 horas.

Desde o início de março, Textor vem fazendo declarações sobre um suposto caso de manipulação de resultados no futebol nacional. O americano afirmou que o Palmeiras, atual campeão brasileiro, vem sendo beneficiado pela arbitragem nas duas últimas edições do Brasileirão.

No ano passado, o time paulista obteve uma grande reação na tabela do Brasileirão e superou justamente o Botafogo na classificação geral, depois que o clube carioca chegou a exibir 13 pontos de vantagem na liderança.

No começo de mês passado, Textor disse que possuía gravações de árbitros reclamando por não terem supostamente recebido propina. Nesta semana, o americano foi mais específico e afirmou as goleadas do Palmeiras sobre o São Paulo (5 a 0) e sobre o Fortaleza (4 a 0), ambos em outubro, foram manipuladas. Textor também levantou suspeitas sobre o Brasileirão de 2021.

O dono da SAF do Botafogo, no entanto, não apresentou provas sobre o suposto caso de manipulação. A Procuradoria do STJD, então, pediu a abertura de inquérito para apurar as denúncias. O pedido foi acolhido pelo presidente do STJD, José Perdiz de Jesus, que determinou que Textor juntasse as supostas provas no prazo de três dias. De acordo com o tribunal, o americano se manifestou, mas não apresentou provas.

O STJD, então, estipulou novo prazo para Textor apresentar as provas. Novamente, segundo o tribunal, o prazo não foi cumprido. Diante da ausência das provas, a Procuradoria decidiu denunciar o americano em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

O artigo 220-A (inciso I) se refere à "deixar de colaborar com os órgãos da Justiça Desportiva e com as demais autoridades desportivas na apuração de irregularidades ou infrações disciplinares". E o artigo 223 fala sobre "deixar de cumprir ou retardar o cumprimento de decisão, resolução, transação disciplinar desportiva ou determinação da Justiça Desportiva". Cada artigo prevê pena de multa de R$ 100 a R$ 100 mil.

OFÍCIO À POLÍCIA FEDERAL

Após anunciar o objetivo de instalar uma CPI para investigar as denúncias sobre manipulação de resultados no futebol brasileiro, o senador Jorge Kajuru (PSB-GO) afirmou que enviou à Polícia Federal um ofício com pedido de investigação contra Textor.

"Prezado Sr. Diretor-geral, dirijo-me à Vossa Senhoria para solicitar a convocação do Sr. John Textor, proprietário do Botafogo Futebol Clube, a prestar esclarecimentos sobre uma série de denúncias gravíssimas feitas por ele, nas quais afirma possuir provas da existência de esquemas de corrupção e manipulação de resultados envolvendo árbitros e jogadores de renomados clubes do futebol brasileiro", escreveu Kajuru, no ofício.