A Chapecoense ainda pode se reinventar

miro palma
29.11.2019, 05:00:00

A Chapecoense ainda pode se reinventar


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Este ano, o futebol brasileiro esbarrou em algumas coincidências, algumas boas, outras nem tanto. Quis o destino que a partida que determinaria o destino da Chapecoense no próximo ano acontecesse na véspera do dia em que se completou três anos da tragédia de avião que vitimou 71 pessoas, sendo a maioria integrantes do clube catarinense.

Em 28 de novembro de 2016, o voo 2933 da LaMia, que partiu de Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, com destino ao Aeroporto Internacional José María Córdova em Rionegro, em Medellín, na Colômbia, teve seu trajeto interrompido, às 21h58 – 0h58 do dia 29, no horário de verão do Brasil –, com a queda da aeronave.

Das 77 pessoas que estavam a bordo, apenas seis sobreviveram: a comissária Ximena Suárez, o técnico de voo Erwin Tumiri, o lateral do time Alan Ruschel, o goleiro Jakson Follmann, o zagueiro Neto e o jornalista Rafael Henzel. Rafael faleceu em março deste ano, após sofrer um infarto enquanto jogava futebol.

Anteontem, dia 27 de novembro de 2019, o time enfrentou o Botafogo em casa, na Arena Condá, e viu o alvinegro Rhuan fazer o único gol da partida. A derrota selou o rebaixamento do clube catarinense, o primeiro desde o acesso à Série A em 2013.

É impossível descolar a realidade atual da tragédia. A Chape viveu uma ascensão surpreendente quando, em apenas seis anos, partiu da Série D para a Série A. Já na elite do futebol brasileiro, se consolidou como uma equipe competitiva e, em 2016, chegou à final da Copa Sul-Americana, evento para o qual viajava no dia do acidente.

Após o desastre, alguns clubes chegaram a propor, em solidariedade à Chapecoense, que o time tivesse a garantia de permanência na primeira divisão por três anos. No entanto, a proposta foi recusada pela Chape. Ainda assim, o alviverde recebeu atletas emprestados de outras equipes para conseguir remontar o seu elenco.

Fora dos campos, o clube enfrenta ações judiciais das famílias das vítimas que buscam alguma reparação pela perda. As doações e as associações de torcedores que buscavam minimizar o impacto da tragédia foram diminuindo e se extinguiram completamente. As contas pararam de fechar e, em 2018, a Chapecoense teve seu primeiro ano negativo. Renegociou direitos de imagem, rescindiu contratos amigavelmente e demitiu funcionários para amenizar a crise financeira.

E como as competições se tornaram, cada vez mais, disputas financeiras, o declínio foi inevitável. Uma pena. A adversidade enfrentada pela Chape, que comoveu o Brasil, acabou por aproximá-la dos torcedores dos mais diferentes clubes. Mas, o tempo passa, a vida segue e a memória vai ficando mais distante.

Enquanto isso, as famílias das vítimas ainda não receberam um centavo da seguradora da LaMia, a inglesa AON, que alega que o pagamento da apólice da companhia aérea boliviana não estava em dia. Além disso, 54 ações foram ajuizadas contra o clube, sendo 27 delas na Justiça do Trabalho. Esse capítulo parece estar longe de passar.

Em meio a tudo isso, assistimos à queda de um clube que, se tivesse vivido um episódio diferente, poderia ter alcançado marcas importantes no futebol nesses mesmos três anos. Só que não se pode controlar o destino. O que se pode é trabalhar para o futuro. A segunda divisão é uma realidade, mas a Chapecoense ainda pode se reinventar.

Miro Palma é jornalista e subeditor de Esporte. Escreve às sextas-feiras.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mestre-lourimbau-e-localizado-e-esta-internado-em-hospital-no-pau-miudo/
Parentes e artistas fizeram campanha para encontrar berimbalista de 72 anos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/paulo-vieira-nao-cansa-de-fazer-rir/
Humorista já fez cinco programas na Globo, incluindo o Fantástico e vai estrear programa no Globoplay
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/live-discute-cobertura-e-influencia-da-imprensa-na-guerra-da-independencia/
Assista à live-aula especial sobre o Dois de Julho com Nelson Cadena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/neto-ocupacao-em-84-eu-abro-tudo-colapsa-o-sistema-e-o-culpado-vai-ser-quem/
Prefeito de Salvador diz que manterá restrições para preservar vidas e garante não temer pressões: ‘Só vamos abrir o comércio quando for possível’
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/whatsapp-anuncia-figurinhas-animadas-e-video-chamadas-com-ate-8-pessoas/
Modo escuro também está entre as novidades; veja vídeo e saiba mais detalhes
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/imprensa-e-dois-de-julho-sera-tema-de-segunda-live-do-correio-sobre-independencia/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-madrugada-de-terror-pm-instala-base-movel-em-sussuarana/
Base vai funcionar 24 horas com 60 policiais; Nordeste de Amaralina e Engenho Velho da Federação também terão
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-chega-ao-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais