A civilidade está vencendo, por incrível que pareça

gabriel galo
06.07.2020, 05:09:00

A civilidade está vencendo, por incrível que pareça


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Jogos no Maracanã ainda com o hospital de campanha em funcionamento. Bares no Leblon apinhados de gente. Orlas lotadas pela vontade incontrolável de fazer uma caminhada. Em alguns lugares, comércios abertos a pleno vapor. A negação tosca de governantes e de uma gente sem máscara na rua que operam com pulsão de morte.

Enquanto se aproxima a marca inacreditável dos 120 dias em isolamento, aqueles confinados olham para a barbárie explícita do mundo externo e correm a se impor o jargão de “trouxa”. Só que há de se enxergar o momento de outra maneira. Sim, a civilidade está vencendo. Por incrível que pareça. Mesmo com o número absurdo e subnotificado de mais de 60 mil mortes no Brasil. Mesmo com os donos das canetas agindo como agem.

A questão é deixar de observar o cenário como extremos e perceber as nuances que fazem o trânsito no meio. Ao olhá-las com olhar mais solidário, vê-se que, ao modo brasileiro, no jeitinho e aos tropeções, a noção de alguma forma avança. 

Em maio, Porto Alegre abriu treinos de equipes de futebol e estimulou o comércio a retomar atividades. A retomada foi alvo de vitais contra-ataques, baseados em ciência, em números, em dados. Não demorou e a irresponsabilidade se traduziu em estatística: a curva de contágios se elevou. E a decisão foi revertida, desestimulando, inclusive, a reabertura em outras cidades. Adicionalmente, estamos em julho e apenas o Campeonato Carioca retornou.

Há muito mais. O auxílio emergencial, dependesse exclusivamente do governo, seria de parcos 200 reais em duas parcelas. A maioria dos estados, apesar de ter tentado reabertura em algum momento, retrocedeu quando não pôde mais esconder a piora no quadro. O SUS age com resistência heroica. Quem rompe o isolamento, o faz expondo e espalhando sua ignorância.

Seguramente, há de se lutar pelo outro lado, pela consciência de todos. Assim fosse, certamente estaríamos pisando fora da pandemia, voltando a operar à toda. No entanto, esta hipótese mora na imaginação. Sejamos francos, não se pode esperar prudência do poder público quando boa parte da população opera em dois estágios de compreensão: o fingir que nada está acontecendo e o não saber o que fazer quando é tarde demais. Vai-se além quando se observa os porquês da politicagem: ir contra essa corrente significa abdicar de importantes votos em ano eleitoral.

Enquanto isso, no campo do possível, é fundamental compreender que quando se negocia com a irracionalidade, caminhar ao meio é uma vitória da racionalidade. Porque é sinal de que os barulhentos negacionistas cederam um naco da irracionalidade em nome da razão e, ao fazê-lo, assinam atestado de estupidez de sua posição primeira.

Portanto, embora com tantos óbvios percalços, de um jeito ou de outro, andamos para frente. Não é trouxa quem em casa ficou. O agora é ruim, mas poderia ser pior. Imagine o que seria do Brasil hoje se não houvesse a vigilância de quem coloca a prudência e o bem coletivo como valores inegociáveis?

Gabriel Galo é escritor.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas