A falta que o perto faz

olhares
31.07.2020, 07:00:00

A falta que o perto faz

Junto com a pandemia e todas as mudanças de interações, fomos acumulando saudades. E elas são tantas que acabam dentro de uma só: a de estar perto de tudo que enche o coração de alegria, seja gente, bicho, coisa ou lugar.

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Saudade do riso solto.
Saudade do riso solto. (Marina Silva/CORREIO)
Saudade do baba.
Saudade do baba. (Tiago Caldas/CORREIO)
Saudade do esporte, do sol e do suor na pele.
Saudade do esporte, do sol e do suor na pele. (Arisson Marinho/CORREIO)
Saudade do teatro, das conversas na coxia.
Saudade do teatro, das conversas na coxia. (Sora Maia/CORREIO)
Saudade do Carnaval e das festas de rua.
Saudade do Carnaval e das festas de rua. (Nara Gentil/CORREIO)
Saudade do caminhar livre e com segurança.
Saudade do caminhar livre e com segurança. (Marina Silva/CORREIO)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas