Advocacia forte, democracia reafirmada

artigo
28.01.2020, 05:00:00

Advocacia forte, democracia reafirmada


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Iniciamos o ano de 2020 com uma vitória histórica para a advocacia. A entrada em vigor da Lei 13.869/2019, conhecida como Lei de Abuso de Autoridade, que criminaliza a violação das prerrogativas, é a maior conquista da classe desde a criação do nosso estatuto, em 1994.

A lei, aprovada e sancionada no ano passado, entrou em vigor no último dia 5 de janeiro. Na verdade, é mais do que uma vitória da advocacia. É uma conquista para que o cidadão tenha o seu direito de defesa garantido. É o reconhecimento da advocacia enquanto ferramenta indispensável à administração da Justiça e à garantia da igualdade de todos perante à Lei.

O texto reforça o que está previsto no Estatuto da Advocacia: prevê a inviolabilidade do escritório e de instrumentos do advogado; defende o direito de comunicação com seus clientes, pessoal e reservadamente; garante o direito de presença de representante; quando preso em flagrante por motivo ligado ao exercício da advocacia; e a assegura que a prisão não seja efetuada antes da sentença transitada em julgado.

Autoridades que desrespeitam as prerrogativas passam agora a ser punidas. Entendemos que apenas aquelas que agirem em desconformidade com o normativo devem se insurgir contra a lei. Abuso de autoridade indica que excessos estão sendo cometidos e esses excessos precisam ser barrados para que não provoquem consequências que pesarão sempre sobre o lado injustiçado.

O início da vigência da lei reforça a ideia de que as prerrogativas do advogado representam também um direito do cidadão. Advocacia forte representa democracia reafirmada. A defesa das prerrogativas é uma das principais bandeiras defendidas pela OAB, nesta quadra gerida com galhardia pelo companheiro Fabricio Castro, que tem procurado garantir a liberdade do exercício da profissão. A nova legislação vem em boa hora para garantir o livre exercício de nossa atividade, entendendo que, ao resistir ao arbítrio, estamos também lutando pelo direito do cidadão comum em ter pleno acesso à Justiça.

A OAB tem investido firmemente na criação de um sistema de prerrogativas que inclui uma operante Comissão de Defesa das Prerrogativas, uma eficiente Procuradoria de Prerrogativas e uma Câmara de Prerrogativas, órgãos que funcionam em conjunto para assegurar o respeito aos direitos da advocacia para o livre exercício da profissão. Combater o abuso de autoridade é uma luta que se estende para que todos sejam cumpridores da lei, especialmente, os que têm o dever de promover a justiça.

Enquanto advogados, precisamos estar na linha de frente na defesa da democracia e no compromisso com a justiça social. Sabemos que os desafios são muitos. No entanto, em um país que ainda possui registros de graves casos de abuso de autoridade, a lei que entra em vigor traz os bons ventos para o ano que acaba de começar.


Luiz Coutinho é advogado e presidente da Caixa de Assistência dos Advogados da Bahia (CAAB)

Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de responsabilidade dos autores

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas