Além do Carnaval, covid-19 ameaça festas de Verão em Salvador

salvador
20.07.2020, 00:43:04
Atualizado: 20.07.2020, 06:05:22

Além do Carnaval, covid-19 ameaça festas de Verão em Salvador

Prefeito diz que sem vacina não há segurança para realizar eventos que gerem aglomerações

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O prefeito de Salvador ACM Neto disse ontem (19/7) no programa GloboNews Debate, que todo o calendário de festas populares de Verão de Salvador está ameaçado de não acontecer caso não haja vacina para imunizar a população contra o novo coronavírus. Essa foi a primeira vez que o prefeito falou - mesmo que lateralmente -  sobre o reflexo da pandemia em festas  como Santa Bárbara, Conceição da Praia, Lavagem do Bonfim e Iemanjá. No mesmo programa,  Neto declarou que a definição de uma nova data para o Carnaval pode sair ainda em agosto e que a nova data para a folia momesca pode ser em julho. 

Na semana passada, Neto havia dito que pode adiar o Carnaval caso não haja uma vacina que garanta a segurança dos foliões até fevereiro. A falta da imunização tambem foi a justificativa dada ontem para a possibilidade de suspender as festas populares da cidade. Em uma intervenção, Neto afirmou que quando fala de Carnaval e de festas em Salvador não está se referindo a lazer, mas a geração de trabalho e renda.

"O Carnaval é importante para a cidade. Não só o Carnaval, mas todo o calendário de eventos de verão da nossa cidade. O Carnaval traz 1 milhão de turistas. Agora, imagina uma festa com 2 milhões  de pessoas por dia nas ruas de Salvador. E festa pressupõe aglomeração, junções de pessoas", afirmou. 


ACM Neto voltou a enfatizar que o mais provável neste momento é que não haja vacina até fevereiro - "temos de ser realistas e a vida sempre tem de estar em primeiro lugar" - e defendeu que o adiamento do Carnaval seja uma decisão tomada em conjunto pelos prefeitos das cidades com tradição de festa, citando, além de Salvador,  São Paulo, Rio de Janeiro e Recife.  Ele garantiu que já foi procurado e conversou com o colega de São Paulo, Bruno Covas, que aprovou a ideia do adiamento. 


Neto ainda levantou a hipótese de o Carnaval ser realizado no início de julho. "No caso de Salvador, se esse novo calendário vier a ser aprovado, é possível juntar feriados para garantir 4 ou 5 dias de festa", disse. 


Ele repetiu que o limite que tem para decidir sobre o adiamento do carnaval - e das festas de verão - é o mês de novembro, mas que essa decisão pode ser tomada antes porque o prazo de São Paulo e Rio de Janeiro - cidades onde há desfiles de escolas de samba - seria no final de agosto. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas