ANM disponibiliza 115 novas áreas para pesquisa ou lavra na Bahia

estúdio correio
26.03.2021, 06:00:00
(Mateus Pereira/GOVBA)

ANM disponibiliza 115 novas áreas para pesquisa ou lavra na Bahia

Entidades questionam pouco foco em commodities e possível fura-filas em processos

A Agência Nacional de Mineração (ANM) vai disponibilizar 110 novas áreas para pesquisa e 5 para lavra na Bahia. A minuta do edital contendo a relação completa foi divulgada na última terça-feira, 23, durante consulta pública realizada pela agência. No país, serão 2762 áreas.

O presidente da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), Antonio Carlos Tramm, vê com bons olhos os esforços da agência, mas teme que os processos de concessão travem em etapas posteriores. “A ANM ainda conta com dezenas de milhares de processos na fila esperando solução. Tem gente que deu entrada em requerimentos há 2, 5, às vezes mais de 10 anos e ainda espera. Então eu pergunto o que vai acontecer quando essas disponibilidades de área forem para próximas etapas. Como a agência vai dar conta desses novos processos? Vão furar a fila? Que solução eles vão dar para quem está há anos na espera?”, questiona Tramm. 

Esta rodada será a terceira desde que a ANM adotou o novo formato de disponibilidade de áreas no ano passado. A região Centro-Oeste concentra 40% das ofertas, seguida de sudeste (21%), Sul (19%), Nordeste (17%) e Norte (4%). Dentre as áreas para lavra, há concentração de substâncias voltadas para rochas ornamentais e construção civil, como granito, areia, argila e calcário. 

Desde que adotou o modelo de oferta pública seguida de leilão (até 2018 o formato era o de melhor proposta técnica), a ANM disponibilizou 7529 áreas para pesquisa ou lavra no país, às quais se somam as 2762 que serão apresentadas neste terceiro edital. A agência também divulgou um cronograma com datas previstas para lançamento das próximas seis rodadas de ofertas, sendo a quarta rodada lançada em maio deste ano e a nona no mesmo mês do ano que vem.  

Para o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa Mineral (ABPM), Luís Azevedo, o volume de ofertas de áreas é insuficiente para aquecer o setor. Segundo Azevedo disse ao jornal Estado de S. Paulo em janeiro, a agência não tem levado em conta o interesse do mercado. “É preciso ter ao menos sensibilidade para o que o mercado quer comprar. Só 33% das substâncias ofertadas até a segunda rodada foram para ouro, cobre, ferro e níquel, commodities com demanda e preços em alta”, diz. 

De acordo com levantamento feito no final do ano passado pela ABPM, em parceria com a startup Jazida.com, mais de 74 mil áreas para pesquisa ou lavra aguardam na fila para oferta pública. O estoque ganha mil novos processos por mês. 

As áreas ofertadas pela ANM são aquelas já outorgadas para terceiros mas que retornaram à carteira da agência por motivos como indeferimento de requerimentos, caducidade, abandono, desistência ou renúncia. 


(Foto: divulgação/Valec)

FIOL: Leilão para obras do trecho 1 acontece no próximo dia 8
Prestes a acontecer, o leilão para conclusão das obras do trecho 1 da Fiol (Ferrovia de Integração Oeste-Leste), entre Caetité e o Porto Sul, em Ilhéus, tem sido objeto de uma campanha difamatória na imprensa. 

Adversários do projeto trabalham para retardar o leilão, alegando que o projeto “assusta” a população próxima do Porto Sul em Ilhéus e seria desnecessário, já que o escoamento de minérios vindos de Caetité, principal objetivo deste primeiro trecho, poderia ser feito pela Ferrovia Centro-Atlântica, operada pela VLI.

Uma das vozes baianas em defesa da ferrovia foi a do deputado estadual Antonio Henrique Junior (PP). “Não nos curvaremos aos interesses obscuros de grupos empresariais que tentam manipular a opinião pública e prejudicar o leilão da Fiol”, disse na Assembleia Legislativa, semana passada.

Devem entrar na disputa investidores internacionais, em particular chineses, mas também operadores logísticos nacionais, como a VLI, formada pela Vale, Mitsui, FI-FGTS, Brookfield e BNDES, e a Rumo, do grupo Cosan, além da Bamin (Bahia Mineração), que já obteve concessão federal para operar o Porto Sul. 

Este conteúdo conta com o apoio institucional da CBPM.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas