Após empréstimos, Yuri, Edigar e Régis têm situações indefinidas

e.c. bahia
03.01.2020, 05:00:00
Atualizado: 03.01.2020, 14:32:02
Yuri, Edigar Junio e Régis ainda não sabem se vão permanecer no Bahia em 2020 (Fotos: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Após empréstimos, Yuri, Edigar e Régis têm situações indefinidas

Jogadores voltam ao Bahia, mas não sabem se vão permanecer no clube

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O início de um novo ano é tempo de renovação. No futebol, a passagem de uma temporada para a outra não é diferente. Quem vai ficar? Quem vai sair? Qual é o novo craque que o seu time vai trazer? São algumas das perguntas que os torcedores se fazem. E no Bahia a situação não é diferente. 

Com boa parte da base de 2019 mantida para 2020, o tricolor ainda busca reforços no mercado, mas, nos próximos dias, tem a missão também de definir o destino de pelo menos três jogadores com quem tem contrato. 

Emprestados na temporada passada, o volante Yuri, o meia Régis e o atacante Edigar Junio voltam ao tricolor na atual temporada, mas isso não quer dizer que eles vão permanecer na Cidade Tricolor e integrar o time de Roger Machado. A situação, aliás, é completamente diferente. 

Yuri, por exemplo, dificilmente vai ser aproveitado pelo comandante. Cria da base tricolor, ele voltou ao Bahia no ano passado após ser o destaque no acesso do CSA à Série A, em 2018. 

Mesmo vivendo um bom momento, Yuri não conseguiu engatar uma sequência com a camisa tricolor. Sem espaço, ele acabou emprestado ao Tochigi, do Japão. No time asiático, o volante fez 10 partidas e marcou um gol. 

Esse ano, o Bahia já contratou o volante Jádson e tem ainda no setor Gregore, Ronaldo, Flávio e Elton. Por isso, a tendência é a de que Yuri tenha que buscar um novo clube para jogar. 

As situações de Régis e Edigar Junio são diferentes. O meia não veste a camisa do Bahia desde 2018, quando foi emprestado ao Al-Wheda, da Arábia Saudita. Após voltar ao Brasil, ele foi reemprestado, dessa vez para o Corinthians. 

No alvinegro, Régis não conseguiu decolar e fez apenas sete jogos. O jogador atua em uma posição carente no clube. Atualmente, o Bahia conta apenas com Marco Antônio e Daniel, este último recém contratado para a função de meia armador. Ainda assim, Régis não tem a permanência garantida no clube. 

Já Edigar Junio é o que goza de maior prestígio com a torcida entre os três. Emprestado ao Yokohama Marinos, ele começou bem a temporada 2019, marcando 11 gols em 16 jogos, ajudando a equipe a conquistar o título nacional.

Mesmo tendo se machucado e ficado fora de boa parte da temporada, ele tem proposta para continuar na equipe japonesa. O acordo vai passar por uma negociação com o Bahia, já que Edigar tinha o passe fixado em contrato, no entanto a cláusula não foi exercida pelo Yokohama até o momento. 

O elenco do Bahia se reapresenta na próxima segunda-feira. Até o momento, o Esquadrão anunciou o volante Jádson e o meia Daniel. O atacante Clayson, do Corinthians, tem acerto encaminhado.  

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas