Após paralisação, rodoviários e empresas se reúnem nesta segunda

salvador
21.05.2018, 06:17:59
Atualizado: 21.05.2018, 19:26:24

Após paralisação, rodoviários e empresas se reúnem nesta segunda

No domingo, rodoviários fizeram paralisação e não circularam

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Depois de 24 horas de paralisação dos motoristas de ônibus, haverá nesta segunda-feira (21), às 10h, uma nova reunião entre rodoviários e empresas no Ministério Público do Trabalho (MTE), em Salvador, para tentar evitar a possibilidade de greve nessa quarta-feira (23). A categoria publicou o informe em jornal de grande circulação no último final de semana.

Neste domingo (20), a população teve de se virar com micro-ônibus e outros meios alternativos de transporte, como metrô, mototáxis e serviços por aplicativos.

Torcedores do Vitória, os amigos Gabriel Jeovane, 19 anos, e Emanoel Lucas, 21, decidiram chamar um Uber para sair de Periperi, onde moram, até o Barradão, em Canabrava, onde assistiriam à partida entre o Vitória e o Ceará. “Moramos em Periperi e mesmo sem busu não poderíamos deixar de ver nosso time jogar”, contaram. 

O estudante Iuri Almeida, 18, disse que soube da greve em cima da hora. “Moro em Brotas e estou indo para casa de minha tia, na Barra. Vou pegar o metrô, descer na Lapa e seguir para a Barra de Uber mesmo”, explicou.

A Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) informou que 277 micro-ônibus conseguiram circular pelos principais corredores da cidade, como Orla, São Cristóvão e Suburbana, para minimizar os efeitos da paralisação. Foram 157 micro-ônibus do Sistema de Transporte Especial Complementar (STEC) e outros 120 da Cooperativa Coopelotação, de Lauro de Freitas (RMS). No início da manhã, porém, representantes do Sindicato dos Rodoviários foram para as garagens e impediram a saída de micro-ônibus do STEC.

A prefeitura ressaltou que a paralisação total do serviço - como aconteceu ontem - representa o descumprimento de obrigação essencial dos contratos de concessão, estando as concessionárias sujeitas à multa no valor total de R$ 1,2 milhão por cada dia paralisado, dividido entre as três empresas do consórcio. A Semob destacou ainda que a prefeitura vem intermediando o diálogo entre empresas e rodoviários, que estão em campanha salarial.

Intermediação
O prefeito ACM Neto participou nesta segunda-feira (21) de duas reuniões para tentar um entendimento entre empresários e trabalhadores do sistema do transporte coletivo da capital baiana. Pela tarde, durante quase três horas, o prefeito recebeu uma comissão formada por líderes dos trabalhadores no Palácio Thomé de Souza.

“A reunião foi muito positiva e estou confiante que os dois lados vão chegar a um acordo”, afirmou o prefeito. Pela manhã, também no Palácio Thomé de Souza, a reunião foi com os empresários do setor. “A prefeitura sabe da importância do transporte coletivo para milhões de usuários e vai trabalhar muito para que os dois lados cheguem a um bom termo”, finalizou ACM Neto.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas