Ativistas e lideranças do movimento negro debatem sobre racismo em Salvador

salvador
17.07.2019, 16:08:00

Ativistas e lideranças do movimento negro debatem sobre racismo em Salvador

Encontros acontecerão nesta quarta e quinta-feiras, no Centro Histórico

Um grupo de ativistas e lideranças do movimento negro se reunirão nesta quarta (17) e quinta (18) para debater o fortalecimento do combate ao racismo no atual cenário brasileiro. Organizado pelo Fundo Brasil de Direitos Humanos, o encontro reunirá representantes de organizações de diversos estados.

Os debates acontecerão na Associação Protetora dos Desvalidos, que fica no Largo do Cruzeiro de São Francisco, no Centro Histórico de Salvador. O evento não é aberto ao público geral.

Entre os principais temas debatidos estarão mortes de negros, alto índice de feminicídio entre mulheres negras, a importância da militância antirracismo e como fortalecer a mobilização social para enfrentamento ao racismo.

O encontro terá como facilitador o coordenador de Articulação do Fundo Brasil, Douglas Belchior. Já Vilma Reis (Movimento de Mulheres Negras) e Edson Lopes Cardoso (Ìrohìn) atuarão como formadores.

O Fundo Brasil de Direitos Humanos é uma organização independente, sem fins lucrativos e que tem como proposta criar meios sustentáveis para destinar recursos para organizações sociais que lutam pelos direitos humanos. Em atividade desde 2006, a fundçaão já apoiou mais de 400 projetos.

PROGRAMAÇÃO:
Quarta, 17/07 - Das 14h às 18h - Edson Cardoso: Ancestralidade e origem milenar africana, importância da organização do movimento negro e os desafios de hoje.

Quinta, 18/08 - das 14h às 18h - Vilma Reis: Trabalho de base antirracista, ação cotidiana, organização comunitária, articulação de grupos e mobilização social.

FORMADORES:
Douglas Belchior: é coordenador de Articulação do Fundo Brasil de Direitos Humanos, professor da Uneafro e membro da Frente Parlamentar Mista de Defesa da Democracia e dos Direitos Humanos, na Câmara dos Deputados.

Edson Lopes Cardoso: militante do Movimento Negro desde os anos 70, é jornalista e Mestre em Comunicação pela Universidade de Brasília. É doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (2014). Foi editor de algumas importantes publicações, dentre as quais Raça & Classe, da Comissão do Negro do PT-DF (1987), e o Jornal do MNU (1989-1994). Entre 1996 e 2010 editou o jornal Ìrohìn.

Vilma Reis: socióloga e ativista, defensora dos direitos humanos, das mulheres, negros e LGBTs. Ocupou a partir de 2015 o cargo de Ouvidora-geral da Defensoria Pública do Estado da Bahia.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas