Bahia cai para o Atlético e perde liderança do Baianão

e.c. bahia
23.07.2020, 17:54:00
Atualizado: 23.07.2020, 18:57:09
Magno Alves em lance com Jadson: Magnata mostrou o faro de artilheiro e fez o único gol do jogo (Felipe Oliveira/EC Bahia)

Bahia cai para o Atlético e perde liderança do Baianão

Magno Alves, de 44 anos, marcou o gol da vitória do Carcará

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em menos de 24 horas o Bahia conseguiu ter duas apresentações bem distintas. Um dia após a goleada de 4x1 sobre o Náutico, pela Copa do Nordeste, na noite da quarta-feira (22), o desempenho tricolor caiu muito e o time acabou derrotado por 1x0 para o Atlético de Alagoinhas, na tarde desta quinta (23), no estádio de Pituaçu, na retomada do Campeonato Baiano.

Com futebol apático, o Bahia quase não incomodou o Carcará e ainda teve de provar o sabor amargo quando Magno Alves anotou o gol do time do interior.

O resultado tirou do Esquadrão a invencibilidade que o time de aspirantes estava ostentando na competição e, além de impor a primeira derrota no torneio, custou também a liderança, agora em mãos do Jacuipense, que venceu o Fluminense de Feira por 2x1 e assumiu a ponta por causa do saldo de gols (7 contra 5). Ambos têm 15 pontos. Já o Atlético subiu para terceiro, com 14.

A última rodada da fase classificatória será disputada no domingo (26), quando o Bahia recebe o Fluminense de Feira, novamente em Pituaçu, e o Atlético enfrenta o líder Jacuipense no Barradão, ambos às 16h.   

O jogo
Com uma maratona de jogos imposta pelo reinício do Baiano e da Copa do Nordeste e a proximidade do início do Brasileirão, o técnico Roger Machado aproveitou a retomada do estadual para dar rodagem a alguns atletas do Bahia. Nino Paraíba, Marco Antônio e Elton, que entraram no segundo tempo da goleada sobre o Náutico, na noite anterior, começaram entre os titulares.

Mas quando a bola rolou o que se viu foi um time pouco criativo e burocrático. O meio-campo formado por Elton, Jadson e Gregore não conseguiu acelerar a partida e foram raras as boas oportunidades criadas na primeira etapa.

A primeira grande chegada do Bahia aconteceu aos 19 minutos. Depois da jogada em velocidade, Alesson achou Jadson, que bateu forte. A bola passou perto do gol de Fábio.

Jadson, inclusive, era quem tentava organizar as jogadas do tricolor. Quando conseguiu conectar os passes, a bola sobrou para Caíque, que achou Marco Antônio na entrada da área. O meia-atacante arriscou de longe e acertou a trave.

Do outro lado, o Atlético de Alagoinhas quase não ofereceu riscos ao tricolor. Mesmo tendo boa presença no campo ofensivo durante o primeiro tempo, o Carcará esbarrava na limitação técnica.

Aos 44 minutos, a chance de tirar o zero do placar se ofereceu ao Bahia. Marco Antônio foi derrubado na área por Felipinho. Pênalti que Zeca bateu, o goleiro Fábio se adiantou e pegou a cobrança.

Mais do mesmo
Para tentar mudar o panorama do Bahia no jogo, Roger voltou para o segundo tempo com Ramon na vaga de Gregore. Mas foi o Atlético quem conseguiu balançar as redes.

Na cobrança de escanteio, Edilson deu uma casquinha e Magno Alves se antecipou a Nino Paraíba e testou para o gol, abrindo o placar para o Carcará com apenas um minuto de jogo. Foi o segundo tento do atacante de 44 anos no Baianão.

O segundo gol do time do interior quase saiu dois minutos depois, quando Magno Alves recebeu entre os zagueiros do Bahia e bateu cruzado. A bola passou tirando tinta da trave.

Apesar da desvantagem, o Bahia seguiu pouco objetivo e voltou a apresentar a mesma falta de criatividade do primeiro tempo. Até os 20 minutos, a melhor chance tricolor foi o cruzamento de Alesson que passou por todo mundo e quase enganou o goleiro Fábio.

Roger voltou a fazer mudanças e tentou deixar o Bahia mais veloz colocando Fessin e o garoto Jeferson Douglas nos lugares de Elton e Marco Antônio, respectivamente. Mas quem teve a chance do gol de empate foi Ernando. Na cobrança de escanteio, a defesa do Atlético afastou mal e a bola sobrou para o defensor no meio da área. Livre, Ernando chutou desajeitado e mandou para fora.

Sem conseguir o gol de empate, restou ao lamentar a derrota no estadual e ver o Atlético comemorar em Pituaçu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas