Baiano, Van comenta expectativa para primeiro Ba-Vi da carreira

e.c. vitória
07.02.2020, 17:26:41
Atualizado: 07.02.2020, 23:45:51
Van só chegou a um grande clube do estado aos 28 anos (Letícia Martins / EC Vitória)

Baiano, Van comenta expectativa para primeiro Ba-Vi da carreira

Há cinco anos, lateral direito estava disputando o Intermunicipal

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Van está no Vitória há apenas nove meses, mas já pode ser considerado um veterano da equipe. Do time titular que deve entrar em campo sábado (8), contra o Bahia, na Fonte Nova, ele é um dos que têm mais tempo de clube. Está atrás apenas do goleiro Ronaldo, formado na Toca do Leão.

Nascido em São Félix, no Recôncavo Baiano, o lateral tem mais um motivo para manter uma relação emocional com o clássico. Ronaldo, ele e Guilherme Rend serão os únicos baianos em campo pelo rubro-negro.

Van comenta o que representa para ele, como baiano, disputar um Ba-Vi pela Copa do Nordeste, o seu primeiro como jogador profissional: "É um grande jogo em qualquer competição e que gera muita emoção por ser o maior clássico do estado".

"Desde pequeno que acompanho os clássicos, por ser muito envolvido com o futebol. Disputar um clássico como profissional é a realização de um sonho para mim. Em especial, na memória, lembro o Ba-Vi em que o Vitória ganhou por 7x3 (final do Baiano de 2013)", completou em entrevista exclusiva ao CORREIO.

O lateral direito tem uma história curiosa. Há cinco anos estava disputando o Campeonato Intermunicipal, de futebol amador. Agora, aos 28, está num dos maiores clubes do estado e jogará um Ba-Vi na Fonte Nova.

Van valoriza a conquista: "Me sinto honrado, motivado e com muita expectativa por ter a oportunidade de disputar o maior clássico do estado defendendo um grande clube como o Vitória".

O atleta foi contratado do Bahia de Feira, pelo qual se destacou no estadual do ano passado. Antes, havia passado por Flamengo de Guanambi e Colo-Colo entre clubes profissionais. A escola, realmente, foi o Intermunicipal.

Ele conta que a luta no futebol amador moldou seu caráter em campo. "Sem dúvida, aprendi muito com a minha passagem pelo Intermunicipal e pelas competições que disputei. Ganhei experiência e confiança no meu desempenho. No clássico darei meu melhor para ajudar meus companheiros e juntos conquistaremos o resultado desejado, que é a vitória".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas