Baianos e turistas lotam praia da Barra em segunda de carnaval

salvador
01.03.2022, 06:00:00
(Paula Fróes)

Baianos e turistas lotam praia da Barra em segunda de carnaval

Mesmo sem feriado, pessoas conseguiram folga para curtir

Diferente de uma segunda qualquer, mas também diferente do que costumava ser. A segunda de carnaval com trio elétrico, vai e vem de foliões, bloquinho e fanfarra no circuito Barra-Ondina não aconteceu pelo segundo ano seguido, por conta da pandemia. Tampouco houve feriado ou recesso em razão da maior festa de rua do mundo. Mesmo assim, os baianos e turistas lotaram as praias do local na tarde de ontem. 

Na areia da Praia do Farol, era difícil encontrar espaço para outro guarda-sol. Nos estabelecimentos, algumas fanfarras tocavam as músicas clássicas do carnaval e as pessoas aproveitavam para dançar e pular, tentando aproveitar ao máximo as comemorações que tentavam substituir as festas de rua. A música que ecoava no local fazia com que todos cantassem, mesmo que de forma contida: “por isso chame, chame, chame gente. E a gente se completa, enchendo de alegria. A praça e o Poeta”, de Moraes Moreira. 

Muitas pessoas que poderiam estar trabalhando, já que o governador da Bahia, Rui Costa, decretou que o estado não teria feriado prolongado ou ponto facultativo no período do carnaval neste ano, conseguiram de alguma forma tirar uma folguinha no trabalho para curtir o dia de sol no mar e nos bares da Barra. A engenheira Raiana Pereira, de 30 anos, dançava a clássica música de Moraes Moreira enquanto andava pela areia do mar. Ela, que é de Alagoinhas, veio para Salvador na intenção de curtir o carnaval. Raiana conta que viaja desde 2016 para festejar na capital baiana. A engenheira foi para festas privadas realizadas neste ano, mas, segundo ela, nada se compara a energia dos trios elétricos, do empurra-empurra da pipoca e dos blocos. “Carnaval de rua é em Salvador, não tem outro lugar. Tô morrendo de saudade. Por mais que a gente tente fazer algo parecido, não vai ser a mesma coisa que estar na rua diante da espontaneidade do carnaval", relata. 

Quem também saiu do interior para curtir o carnaval na Bahia foi a pedagoga Mariana Barreto, 30, que veio com a irmã, mãe e filho de Santo Estevão. “To com uma folgazinha até amanhã (hoje). Chegamos ontem, pegamos praia e já vamos embora amanhã de manhã”, conta. Ao contrário de Mariana, que nunca curtiu o carnaval de rua de Salvador, sua mãe, Mariane Barreto, 65, costumava sair de Santo Estevão quando era mais jovem e ficava na casa de suas irmãs que moravam na capital só para festejar.  “Eu sou apaixonada pelo carnaval. Eu curtia na pipoca, na muvuca mesmo, eu amava”, diz a aposentada. 

Morando atualmente no Rio de Janeiro, a soteropolitana Camila Castro, 33, também veio aproveitar o carnaval em Salvador e estava na praia com o namorado e a mãe. “Eu estou curtindo bastante. Peguei folga no trabalho, pois onde eu moro foi feriado e vim correndo para a capital”, explica a analista de projetos. Sua mãe, Vilminha da Bahia, 55, que ainda mora na cidade, também diz estar aproveitando o período festivo, mas admite sentir falta da festa de rua: “Se tivesse eu estaria colada. Sou aposentada, já trabalhei demais, agora é só curtição”. 

Quem também curtia o sol na praia da Barra e veio para Salvador na esperança de curtir a energia carnavalesca foi o publicitário João Pedro, 25, natural de Maceió. Ele está na capital desde o início de fevereiro, mas nunca curtiu o carnaval de rua de Salvador. Nos anos anteriores foi para São Paulo e Rio de Janeiro. “Eu ia curtir aqui em 2021, mas não teve a festa por causa da covid-19”, diz o jovem. 

O casal Daniel Sampaio, 36, e Acácio Soares, 38, advogado e engenheiro, respectivamente, tiraram folgas dos seus trabalhos e foram pegar um sol na praia da Barra com amigos. Acácio, que é natural de Uberlândia, em Minas Gerais, curtia todos os carnavais de rua em Salvador e sente saudade do clima da folia. “Deu pra sentir o clima dentro do possível, tentamos trazer pras limitações atuais a alegria de sempre para não deixar passar em branco”, afirma.  Além de turistas e baianos, quem definitivamente aproveitou todo esse movimento em plena segunda-feira da Barra foram os donos e funcionários de bares e restaurantes do local. De acordo com o garçom Paulo Vitor, 34, os estabelecimentos estão bem movimentados: “Hoje está bem melhor que uma segunda/domingo normal, é lucro pra tudo quanto é lado. O povo tá bem festivo, bem receptivo”. 

Laiz Menezes, com orientação da subeditora Fernanda Varela.

O Correio Folia tem patrocínio da Goob e apoio da AJL, Jotagê Engenharia e Comdados

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas