Banana, maisena e creme de leite: comidas hidratam e fortalecem o cabelo

bazar
23.05.2018, 09:00:00
Atualizado: 23.05.2018, 10:33:41
(Montagem sobre foto de Kyary Pamyu Pamyu)

Banana, maisena e creme de leite: comidas hidratam e fortalecem o cabelo

Ingredientes ganham novas funções e fazem sucesso como tratamento capilar

Creme de leite, banana, óleo de coco, linhaça, amido de milho... Esses poderiam até ser os ingredientes de um prato bem tropical, mas são algumas das coisas que muitas pessoas andam botando no cabelo - e elas prometem que deixam as madeixas maravilhosas!

Jessica Dantas, 25, é uma delas. A digital influencer comanda um canal no YouTube, o Fala Dantas, com mais de 500 mil inscritos. E garante que o carro-chefe são os vídeos de receitas caseiras. “Se eu fico um mês sem postar esses conteúdos, as pessoas me falam que estão sentindo falta e pedem a volta deles”, conta.

Jessica faz vários vídeos com dicas de produtos para o cabelo
(Foto: Reprodução/Instagram)

Apesar do sucesso, ela assegura que não começou os tratamentos naturais por causa da audiência. “Eu sempre fiz em casa. Muitas vezes, ia para salões, mas não gostava do jeito como cuidavam do cabelo. Então, comecei a testar várias coisas. Descobri que a maizena, por exemplo, não alisava, já que é cacheado, mas diminuia o frizz e mantinha a cutícula alinhada”.

/p>

Mas essa não é a receitinha favorita de Jessica. E sim uma com creme de leite. “Muita gente acha meio doido. Mas dá certo! Misturo uma colher dele, na versão de caixinha, com uma colher de máscara e deixo no cabelo por um tempo. Fica hidratado”, fala.

Vanessa Ventura, 26, do Belícia Blog (@beliciablog no Instagram, com mais de 10 mil seguidores) e do projeto Coletivo Minissaia, também já fez vários testes ‘gourmets’ no cabelo.

“Em 2014, passei pelo processo de transição capilar. Ele acabou ficando de duas texturas diferentes, mas eu não queria gastar muito dinheiro em tratamentos caros. Aí fui para as receitas. Amassava bem uma banana, misturava a um creme hidratante simples e passava no cabelo. Meia hora depois, retirava. Achava que ficava bem mais macio. Também usei linhaça - fervia com um pouco de água, até  soltar uma gosma. Funcionava como um gel e, com ela, texturizava a metade do meu cabelo que ainda estava alisado”, lembra.

Vanessa já provou até banana no cabelo
(Foto: Reprodução/Instagram)

Depois que cortou o cabelo, Vanessa decidiu que não precisava mais tanto das receitas. Mas segue usando outra. “Faço a umectação, que é uma técnica que passa óleo no couro cabeludo. Faço uma vez por semana, com a versão de coco ou de oliva. Passo durante a noite e vou dormir. No dia seguinte, tiro. Vejo muita diferença, o cabelo fica mais hidratado, ganha mais brilho...”.

Falando no óleo de coco, ele é queridinho também de Monique Maione, 28 (@moniquemaione no Insta, com mais de 5 mil seguidores). Outra integrante do projeto Coletivo Minissaia, ela comenta que o segredinho de beleza está há anos na família. “Minha avó Eunice usa  o óleo de coco e falava muito bem dele. Depois de um tempo, comecei a pesquisar e vi que muita gente também era adepta”.

O óleo de coco é um segredo de beleza da família de Monique há anos
(Foto: Reprodução/Instagram)

Monique, então, começou a passar. E não parou. “Eu sofro com o ressecamento, já que meu cabelo é loiro. E também ficava muitas vezes com ele armado, por ser naturalmente ondulado. Desde que iniciei o tratamento com o óleo, vi que isso melhorou”. No caso dela, funciona assim: “Divido o cabelo em várias mechas. Boto o óleo na mão e vou passando ele no cabelo, de cima para baixo. É tudo no olhômetro e tato - vou sentindo e vendo quando está bom”.

Faz bem?
Do ponto de vista médico, as receitas não causam grandes problemas ao couro cabeludo. “A pessoa não vai desenvolver uma nova alergia a esses ingredientes, uma doença. Afinal, são todos naturais e não-químicos. Só fazem mal se a pessoa já tiver essa alergia a eles - aí, não deve usar”, diz a médica dermatologista Constança Pithon.

Cadastre seu e-mail e receba novidades de gastronomia, turismo, moda, beleza, tecnologia, bem-estar, pets, decoração e as melhores coisas de Salvador e da Bahia:

Farmacêutica e pesquisadora de cosméticos naturais, Mona Soares aprova o tratamento. “Antigamente, não havia essa diferenciação do que deveria ficar na cozinha e do que poderia ser usado em cosméticos. Foi a indústria que começou a criar os produtos e fragmentar eles - esse é para o rosto, esse para os olhos... Mas muitos desses ingredientes são ‘de vovó’”, fala.

“Vários cosméticos usam moléculas sintéticas que são inspiradas no leite, por exemplo. Então, por que não ir logo no creme de leite? Nos estranha pois foi algo retirado da nossa cultura, mas tem todo o sentido”, completa.

Para Mona, o segredo é o conhecimento do próprio cabelo. “Tudo você tem que utilizar com conhecimento. Faça uma auto-observação e veja suas particularidades, o que fica bom e não fica. E sempre lembre dos cuidados com a higiene”.

Vencedor do reality show Desafio da Beleza, do GNT, em 2014,  Kal Nascimento  acredita, em parte, nos cosméticos gourmet. “As receitinhas que confio são com o óleo de coco, de rícino (ajuda a encorpar o fio), mel e babosa. Já amido de milho, frutas, ovos e creme de leite... Esses ficam superbem para comer”, ri.

Siga o Bazar nas redes sociais e saiba das novidades de gastronomia, turismo, moda, beleza, decoração e pets:

Dono de um Studio que leva seu nome, Alberto Alves lembra que os tratamentos não são unanimidade. “Eles vêm de experimentações. Tudo vai depender se o cabelo se adequa. Cada um tem uma porosidade, uma necessidade. Só mesmo testando”, diz.

Mas vá com calma nessas provas. “No caso da maisena, se você já tem um cabelo liso, consegue um alinhamento, que dura alguns dias. Mas o uso exacerbado pode acarretar no ressecamento dele. Como dá uma selada nas cutículas, impede a entrada de umidade”.

Joanes Fonseca, do Sá Marina, faz a mesma ressalva. “Elas podem funcionar? Podem. Mas cada cabelo tem sua necessidade. A longo prazo e de maneira incorreta, essas receitas podem danificar o cabelo. Não acho bom esse tipo de coisa sem a indicação de um profissional especializado. O barato pode ficar caro depois. Antes, vá sempre a um salão e peça a opinião e orientação do especialista”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas