Brumadinho mostra que pouco se aprendeu com Mariana, dizem entidades médicas

brasil
26.01.2019, 12:58:30
Atualizado: 26.01.2019, 13:20:53
((Foto: Douglas Magno/AFP))

Brumadinho mostra que pouco se aprendeu com Mariana, dizem entidades médicas

Reuniões técnicas na agência estão ocorrendo neste sábado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT) e a Associação Mineira de Medicina do Trabalho (AMIMT) manifestam pesar pelos trabalhadores e trabalhadoras vitimados na tragédia de Brumadinho (MG), onde uma barragem da mineradora Vale rompeu-se na tarde desta sexta-feira (25).

"Uma tragédia das proporções da que ocorreu em Brumadinho mostra que pouco se aprendeu com o desastre de Mariana (MG), em 2015, pela qual a mesma Vale ainda responde na Justiça. Esperamos que o poder público apure com rigor o ocorrido e puna de forma exemplar os envolvidos", afirma a associação em nota.

Entre as vítimas, está Marcelle Porto Cangassu. Ela estava trabalhando no momento em que a barragem se rompeu. "Jovem, Marcelle obteve seu título de especialista em Medicina do Trabalho em 2015 e se dedicava à carreira na Vale", informa.

"A ANAMT e sua federada em Minas Gerais, a AMIMT, lamentam a perda da colega em situação tão trágica. Apresentamos nossas condolências à família e reforçamos nosso pedido de rigor na investigação desta tragédia e punição exemplar dos envolvidos". 

Três Marias
Técnicos da Agência Nacional de Águas (Ana) avaliam agora que é "pequena" a possibilidade dos rejeitos da barragem rompida em Brumadinho (MG) alcançarem a Represa de Três Marias no Rio São Francisco. Até ontem, a avaliação era de que a lama que invadiu o Rio Paraopebas seria amortecida pela Barragem da Hidrelétrica Retiro Baixo podendo avançar pelo curso do rio e chegar a Três Marias. 

Conforme o Estado apurou, a avaliação de hoje dos técnicos da agência é que essa possibilidade é pequena por causa da alta densidade da lama. Reuniões técnicas na agência estão ocorrendo neste sábado. 

Desde ontem à noite, a operação de Retiro Baixo foi paralisada para evitar possíveis danos às turbinas da hidrelétrica. O prazo de chegada do rejeito até a estrutura também foi recalculado de dois para até 4 dias.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048