Camas de papelão? Ex-atletas dizem que Olimpíadas são 'festival sexual'

em alta
20.07.2021, 09:43:08
Atualizado: 20.07.2021, 09:50:47
(Foto: Divulgação)

Camas de papelão? Ex-atletas dizem que Olimpíadas são 'festival sexual'

'Transei mais nas duas semanas de Olimpíadas do que no resto de minha vida', disse inglês

Nos últimos dias viralizou um boato de que a organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio teria instalado camas de papelão na Vila Olímpíca para evitar o sexo entre atletas. A história posteriormente foi negada, mas todos os 18 mil competidores envolvidos confirmam: as festas e pegações acontecem e muito.

Imagine milhares de atletas de todo o mundo reunidos. Todos jovens e no auge de sua forma física. Após treinarem por meses e competirem, é claro que vão comemorar - e nem a pandemia de coronavírus deve impedir.

O Comitê Organizador não proíbe a prática na vila e até encomendou 160 mil camisinhas para "aumentar a conscientização sobre sexo seguro". Apesar disso, sugeriu que os atletas evitem "contatos íntimos" por conta dos protocolos de saúde.

Em artigo publicado no jornal The New York Times, o ex-mesatenista britânico Matthew Syed definiu a vila olímpico como "festival sexual".

"Muitas vezes me perguntam se a vila olímpica - o vasto conglomerado de restaurantes e residências que hospeda os melhores atletas do mundo durante os Jogos - é o festival sexual que dizem ser. Minha resposta é sempre a mesma: está certo."

O atleta ainda revelou que fez mais sexo durante as duas semanas hospedado na Vila Olímpica nos jogos de Barcelona do que já havia feito na sua vida até ali.

Jara a ex-atleta Susan Tiedtke, atualmente com 52 anos, é "impossível proibir o sexo na vila olímpica". "[A proibição] é um grande motivo de chacota para mim, não funciona de jeito nenhum. Sexo é sempre um problema na vila, disse Tiedtke, que competiu no salto em distância nos jogos de Barcelona (1992) e de Sidney (2000).

"Os atletas estão no auge físico nas Olimpíadas. Quando a competição acaba, eles querem liberar suas energias. Há uma festa após a outra, então o álcool entra em jogo. Acontece que as pessoas fazem sexo e há um número suficiente de pessoas que se esforçam para isso", contou a ex-atleta em entrevista ao jornal alemão Bild.

Outra que já comentou sobre a prática sexual nas vilas olímpicas foi a ex-goleira Hope Solo. A estadunidense disse à ESPN que "viu atletas fazendo sexo abertamente". A própria Solo revelou que fez sexo com uma "celebridade" sem revelar o nome.

O atirador estadunidense Josh Lakatos afirmou: "Nunca testemunhei tanta devassidão em toda a minha vida", depois de sua experiência em Sidney.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas