Caso Henry: diretor de presídio pede pra sair após denúncias de regalias a Jairinho e mãe de garoto

em alta
14.04.2021, 16:00:00
(Foto: Reprodução/TV Globo)

Caso Henry: diretor de presídio pede pra sair após denúncias de regalias a Jairinho e mãe de garoto

Casal está preso preventivamente após morte de menino de 4 anos em casa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O diretor da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio, pediu para ser exonerado após denúncias de regalias durante a passagem do vereador Jairo Souza Santos Júnior (sem partido), o Dr. Jairinho, e Monique Medeiros pela unidade. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Rio, o pedido foi feito nesta quarta-feira (14). As informações são do jornal Extra.

O casal está preso por suspeita de envolvimento na morte do menino Henry Borel Medeiros, 4 anos, no mês passado. Segundo a Seap, o diretor pediu afastamento do cargo "após discordar das denúncias de supostos privilégios". 

A pasta acrescentou que todas as imagens de câmeras de segurança da cadeia já foram encaminhadas ao Ministério Público fluminense.

A secretaria não respondeu se foi aberta alguma investigação dentro da própria pasta para apurar as denúncias. Fontes da Seap afirmam que foi feita uma apuração preliminar, com análise das imagens das câmeras, sem que qualquer irregularidade tenha sido detectada.

A Cadeia Pública José Frederico Marques é a principal porta de entrada do sistema prisional do Rio. As pessoas presas são levadas para a unidade, onde passam por audiência de custódia, e depois encaminhadas para outros presídios.

Segundo fontes da Seap, Jairinho e Monique permaneceram poucas horas na cadeia pública, onde passaram pela audiência de custódia. Eles deram entrada na unidade na última quinta-feira, dia 8, e na mesma data foram transferidos. Jairinho foi para o presídio Pedrolino Werling de Oliveira, conhecido como Bangu 8, e Monique, para o Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas