Cemitérios de Salvador registram movimento pequeno em dia de Finados

salvador
02.11.2020, 11:59:00
(Marina Silva/CORREIO)

Cemitérios de Salvador registram movimento pequeno em dia de Finados

Pandemia e chuva forte afugentaram os visitantes

Quando Brás Cubas morreu chovia uma chuva fininha, garoava, contou Machado de Assis, no romance Memórias Póstumas de Brás Cubas. A imagem foi evocada novamente nestas segunda-feira (2). A chuva forte que caiu sobre Salvador tornou a ida aos cemitérios ainda mais melancólica, neste feriado de Finados. No Jardim da Saudade, em Brotas, poucas pessoas arriscaram fazer alguma visita pela manhã. Já no Campo Santo, na Federação, o movimento foi um pouco mais intenso.

As administrações desses espaços já esperavam que a procura fosse menor esse ano por conta da pandemia e porque muita gente antecipou as homenagens, mas a chuva tornou a quantidade de visitantes ainda mais inferior. A aposentada Isabel Fernandes, 68 anos, e a filha dela, Ana Maria Fernandes, 40, foram algumas das poucas pessoas que saíram de casa.

"Esse é o primeiro Dia de Finados desde o falecimento de meu pai e, por isso, fizemos questão de vir. Eu tentei convencer minha mãe a ficar em casa, mas ela insistiu para fazer essa homenagem. Estamos de carro, então, vai ser um visita rápida e já voltamos", contou Ana Maria. 

(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)

O barulho da chuva foi o único a quebrar o silêncio nos cemitérios nessa manhã. As famílias fizeram as homenagens de forma discreta. No cemitério do Campo Santo as estátuas que adornam os túmulos pareciam chorar com as gotas da chuva, e deixaram o clima ainda mais respeitoso.

As irmãs Maria Vitória Alves, 36, e Maria Júlia Almeida, 34, levaram flores para a mãe. Foi um momento de emoção para as duas. "Dias de Finados, o dia do aniversário dela, e o dia das mães são sempre datas complicadas para a a gente. Mas é importante fazer essa homenagem", disse Maria Vitória.

Os cemitérios da capital ofereceram missas de forma virtual e permitiram a presença do público em algumas celebrações. Flores brancas e amarelas foram as mais comuns vendidas do lado de fora, e a maioria dos visitantes era mulher.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas