Cenas de Carnaval: As Muquiranas

salvador
27.02.2019, 05:00:00
( Evandro Veiga/13.2.2010/Arquivo CORREIO)

Cenas de Carnaval: As Muquiranas

As ‘meninas’ perturbam quem passa na frente

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Carnaval é diversão, é dança, é curtição. Mas para uma galera, a festa significa somente uma coisa: perturbação no juízo. Nessa categoria, o Oscar - todo ano - vai para o mesmo artista, As Muquiranas.

A impressão é que os cerca de cinco mil associados do bloco despejam toda a energia acumulada durante os outros 362 dias do ano nos três de Carnaval. Haja gastação uns com os outros.

Vale carregar plaquinha, órgãos sexuais infláveis, tridente de diabo, bicho de pelúcia e vestir máscara. Mas a perturbação maior tem nome: arma de água.

As Muquiranas são uma onda. Saem jogando água em quem está por perto, ninguém se livra. E se ‘pegar ar’ é pior ainda. Aí que as ‘meninas’ pegam mais pesado ainda.

Compadre Washington no Carnaval 2016
Compadre Washington no Carnaval 2016 (Marina Silva/Arquivo CORREIO)
Márcio Victor no Carnaval 2012
Márcio Victor no Carnaval 2012 (Robson Mendes/Arquivo CORREIO)
Carnaval 2015
Carnaval 2015 (Marina Silva/Arquivo CORREIO)
Carnaval 2000
Carnaval 2000 (Alberto Coutinho/Arquivo CORREIO)
Léo Santana no Carnaval 2015
Léo Santana no Carnaval 2015 (Marina Silva/Arquivo CORREIO)
Harmonia do Samba no Carnaval 2006
Harmonia do Samba no Carnaval 2006 (Paulo M. Azevedo/Arquivo CORREIO)
Carnaval 1995
Carnaval 1995 (Antenor Pereira/Arquivo CORREIO)

O bloco completa 54 anos em 2019. Foi criado por Lindolfo Araújo de Carvalho, o Charita, como muitos bloquinhos de amigos surgem. Junta um aqui, outro ali, todo mundo se veste igual de mulher e cai na gandaia. 

Mas a entidade cresceu e era tanta fantasia que a família de Charita não dava mais conta de costurar uma a uma. O dono teve que profissionalizar a coisa. O interessante é que o Carnaval muda, a moda se transforma e As Muquiranas seguem lá, fazendo o sucesso delas na folia. 

Atualmente, o pagode é que faz sucesso no bloco. E os artistas vestem a identidade do bloco, literalmente. Xanddy se vestiu de gueixa e de Mulher-Maravilha. Léo Santana, de Carmen Miranda e Afrodite. Compadre Washington e Beto Jamaica, de Space Girls.

Mas o rei d’As Muquiranas é Márcio Victor, com o Psirico. O cantor empurra o bloco como ninguém. Ele desce pra cantar na rua, sobe na carroceria do trio elétrico, faz o diabo com as ‘meninas’. Sem dúvida,  o bloco As Muquiranas é parte da história do Carnaval. Provavelmente, a parte mais engraçada.

*Cenas de Carnaval é um oferecimento do Bradesco, com patrocínio do Hapvida e apoio da Vinci Airports, Fieb, Salvador Shopping, Unijorge, Claro, Itaipava Arena Fonte Nova e Sebrae

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas