Com depressão e dor crônica, fundador do WikiLeaks pode morrer na prisão

mundo
25.11.2019, 09:13:00
Atualizado: 25.11.2019, 09:13:59
(AFP)

Com depressão e dor crônica, fundador do WikiLeaks pode morrer na prisão

Julian Assange tem estado de saúde delicado, segundo médicos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Mais de 60 médicos escreveram às autoridades britânicas afirmando que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, precisa de tratamento médico urgente ou pode morrer na prisão. Os profissionais disseram em uma carta publicada nesta segunda-feira, 25, que Assange sofre de problemas psicológicos, incluindo depressão e de uma grave dor no ombro - além de questões relacionadas aos dentes.

O australiano está na prisão segurança máxima de Belmarsh, nos arredores de Londres, enquanto espera a audiência sobre seu processo de extradição para os Estados Unidos, marcada para fevereiro. Washington acusa Assange de divulgar milhares de documentos confidenciais.

A carta dos médicos - profissionais do Reino Unido, Austrália e Sri Lanka, entre outros países - foi enviada ao secretário de Interior do Reino Unido, Priti Patel, e distribuída pelo WikiLeaks.

'Grande preocupação'
No documento, os médicos expressam "grande preocupação" com a saúde de Assange, de 48 anos, e pedem que ele seja levado a um hospital universitário e passe por uma avaliação. "Do ponto de vista médico e diante da evidência disponível, temos uma grande preocupação com o estado físico de Assange para enfrentar o julgamento em fevereiro de 2020. O mais importante é que, na nossa opinião, Assange requer uma avaliação médica urgente sobre o estado físico e psicológico dele", acrescentaram.

Se não receber tratamento médico, ele "pode morrer na prisão", escreveram os profissionais. A australiana Lissa Johnson disse que uma avaliação médica independente é necessária para determinar se Assange está "medicamente apto" a enfrentar um processo legal.

Na semana passada, a Promotoria da Suécia decidiu encerrar a investigação sobre o caso de estupro contra o australiano. A vice-procuradora-geral Eva-Marie Persson justificou a decisão em razão do enfraquecimento das evidências e da falta de argumentos para a acusação. (Com agências internacionais).
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas