Concessionárias reabrem e oferecem descontos de até R$ 25 mil para clientes

salvador
04.06.2020, 05:30:00
Atualizado: 04.06.2020, 11:20:35
Clientes apareceram para adquirir um carro novo (Tiago Caldas/CORREIO)

Concessionárias reabrem e oferecem descontos de até R$ 25 mil para clientes

Teve loja que registrou queda nas vendas de mais de 80%; “é a melhor época para comprar carro”, diz gerente

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Nessa quarta-feira (3), após mais de dois meses sem abrir as portas, lojas que vendem automóveis, motocicletas e bicicletas puderam, finalmente, reabrir, conforme a decisão do prefeito de Salvador, ACM Neto. A volta, no entanto, não significou uma retomada da normalidade e estava recheada de protocolos específicos de funcionamento e de promoções para atrair clientes (confira algumas no final do texto).  

Segundo a Secretaria Municipal da Fazenda, Salvador possui 187 concessionária ou revendedora de veículos. Quem já foi em uma delas conhece o ambiente característico. Carros são abertos e tocados pelos compradores, vendedores ficam em pé a espera de clientes e atendentes fazem simpáticos questionamentos: “aceita uma água? Um café? Um lanche?”.  

Habituado, um funcionário chegou a oferecer água à reportagem enquanto conversava com o gerente de uma concessionária da cidade. “Não podemos fazer mais isso”, lembrou o chefe. Segundo as determinações publicadas numa edição extra do Diário Oficial do Município, também devem ser obedecidas outras regras, como horário de funcionamento restrito das 10h às 16h e a proibição de test drive (confira todas as regras no final do texto).  São determinações que modificam o tradicional ambiente da concessionária. Agora, vendedores ficam afastados uns dos outros, sentados em computadores, onde realizam o atendimento virtual.

“Enquanto a loja estava fechada, a gente trabalhava em casa e conversávamos com o consumidor pelo celular. Para o cliente conhecer o carro, ou levávamos o veículo até ele, ou ele vinha na concessionária em um horário agendado, com todos os cuidados”, explicou Bené Morbeck, gerente da concessionária Bremen, localizada na Barros Reis.  

Quando o CORREIO chegou no espaço, Bené justamente lia as novas regras esclarecidas pelo departamento jurídico da empresa e providenciava a aplicação. “Esse é o momento mais difícil que vivo nos meus 16 anos trabalhando aqui. Já passei por várias crises, mas esse é um momento de reinvenção, de buscar o cliente em outros lugares. Isso é um desafio”, afirmou.   

Comparado aos meses normais, a queda na quantidade de veículos vendidos pela Bremen caiu de 80 para 27, em abril, uma queda de quase 70%. Em maio, a loja registrou aumento na venda de carros, passou para 35, e está esperançosa com o mês de junho. “Ainda não podemos fazer o test drive, o que dificulta a compra. Mas o cliente tem entendido a importância das medidas e aceitado”, disse Bené.   

Para atrair clentes, teve concessionário que colocou o número de WhatsApp do gerente na frente da loja (Foto: Tiago Caldas/CORREIO)

Digital
Ainda na Barros Reis, duas outras concessionárias abriram as portas na manhã dessa quarta-feira. Diogo Cardoso, gerente da Fiori, afirmou que o estabelecimento vendia, em média, 180 carros por mês. Em abril, esse número saltou para 35, uma queda de mais de 80%. “Em maio conseguimos vender 60 e a perspectiva desse mês, com as lojas abertas, é que vendamos 100 carros”, afirmou Diogo. 

Já a Pateo, gerenciada por Everton Andrade, 39, tinha uma média de venda de 150 carros por mês. Nos dois meses da pandemia, essa média caiu para 75. Uma redução menor, em comparação com as outras, de 50%. A queda não tão acentuada é explicada pelo investimento no atendimento virtual, algo que já era feito antes da pandemia.  

John Machado, 28 anos, que trabalha na Pateo exclusivamente no atendimento por internet e telefone, percebeu um aumento na busca pelo seu serviço enquanto a loja estava fechada. “A quantidade de atendimentos que eu fiz aumentou. Percebi que os clientes queriam fotos e vídeo para fazer uma pesquisa de preços. Alguns não efetuaram a compra, pois esperaram a loja abrir para ter o contato presencial com o veículo”, disse.  

“Hoje, o vendedor que não atua digitalmente é ultrapassado. A pandemia acelerou isso. Nós já tínhamos atendentes exclusivos para o online, mas hoje todos fazem esse papel, conciliando com o trabalho presencial”, disse o gerente da Fiori.

Na Avenida Paralela, a concessionária Nova Bahia foi a única visitada que mantinha uma funcionária para passar álcool em gel e medir a temperatura dos clientes. Só entrava na loja quem estivesse abaixo de 37,5ºC. “É mais uma das medidas que instauramos para atrair o cliente nesse período e deixá-lo seguro”, disse o gerente Isaac Luz, 42,. 

Termômetro e álcool em gel são ítens presentes na recepção da Nova Bahia (Foto: Daniel Aloisio/CORREIO)

A loja tinha uma média de venda de 100 carros por mês. Em março, foi registrado uma queda de 40%. Em abril, apenas 20 veículos foram vendidos, o que representa 80% de queda. Em maio, houve uma melhoria, o número de vendas subiu para 36.  

“A gente espera que em junho tenhamos um aumento de 40% nas vendas, em relação a maio”, disse Isaac.  

Para o motorista de aplicativo Ramon Bastos, 34, que estava com o carro há 15 dias na oficina e precisava esperar a Nova Bahia abrir para comprar um radiador original, a manhã dessa quarta foi um alívio. “Tive que alugar um veículo para continuar trabalhando enquanto a situação não se normalizava. Essa volta é necessária”, disse.  

Outro que ficou feliz foi Valdemir Araújo, que estava andando com um amigo por Salvador e viu que sua concessionária tinha aberto, a Pateo. “Decidi entrar para fazer o orçamente do meu próximo carro”, explicou. Em 2018, ele adquiriu um veículo na mesma loja. “Alguns clientes tem uma relação quase sentimental com a concessionária, pois são apaixonados por carro e gostam do serviço”, explicou o vendedor.  

Já Tiago Pacheco teve que ir a uma das concessionárias somente para trocar uma peça da marcha e reclamou da demora para a execução do serviço. “Fico preocupado em ter que sair de casa nesse período, pois qualquer exposição é uma possibilidade de levar o vírus para a casa”, disse.  

Sem se identificar, um funcionário também lamentou ter que trabalhar nesse período. “Sinto que as coisas podem piorarem e termos que voltar a fechar novamente. Espero que não aconteça. Só estaremos tranquilos quando encontrarmos a vacina”, disse.  

Todos as pessoas, clientes e funcionários, que estavam nas concessionárias visitadas pelo CORREIO utilizam a máscara e mantinham o distanciamento social recomendado.  

Promoção 
Para atrair os clientes, todos os gerentes preparam promoções ou estabeleceram melhores condições de compra. “A melhor época para comprar carro é essa, pois temos muitos veículos de 2020 no estoque e alguns de 2019, com preço reduzido”, disse o gerente da Fiori. 

Queima de estoque dos veículos de 2019 e 2020 é alternativa para atrair clientes (Foto: Tiago Caldas/CORREIO)

Confira as principais promoções das cinco concessionárias entrevistadas: 
Bremen:
Desconto de quase R$ 5 mil no Novo Polo – 2020, que sai por R$ 49.990. A primeira parcela do financiamento pode ser paga em 2021 e as três primeiras revisões são gratuitas. 

Fiori: Desconte de até R$ 25 mil na linha Toro. O carro que custava R$ 155 mil agora sai por R$ 130 mil. Há ainda taxa 0 de financiamento ou primeira parcela paga em 2021.  

Pateo: Taxa de 0% de juros para financiamentos. Os carros sedan estão com o preço de hatch, em um desconto de até R$ 5 mil. 

Nova Bahia: Taxa de 0% de juros para financiamentos. Desconto de até R$ 12 mil no carro Captur, e de R$ 9 mil no Stepway. Para junho, quem adquirir os carros de 2019 e de 2020 leva para casa uma patinete elétrica de brinde.  

CAOA Cherry: Tiggo 2 e Arizo 5, modelos 19/20, saem com preço de fábrica. Tiggo 5 e Tiggo 5 com bônus de até R$ 10 mil.

Confira o protocolo para funcionamento das concessionárias:  
I - Deverão ser observadas todas as determinações do protocolo geral, como uso de máscaras, álcool em gel e distanciamento entre funcionários. 

II - O horário de funcionamento deverá ser de segunda-feira à sexta-feira,  

das 10h às 16h; 

III - O funcionamento do estacionamento deve ficar restrito a 50% do total no caso de 10 ou mais vagas disponíveis, com permissão de acesso apenas para veículos com o condutor ou, se não for de uso particular, de apenas um passageiro. A exceção se aplica para idosos, pessoas com diagnóstico de câncer e em uso de medicamentos imunossupressores, casos em que será permitida a entrada conjunta de um acompanhante;  

IV - Fica proibida a realização de test drive;  

V - Os veículos deverão ser higienizado após uso do espaço interno pelo cliente;  

VI - Não serão permitidos serviços de comidas e bebidas;  

VII - Fica proibida a realização de eventos promocionais presenciais. 

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas