Conhece alguma empregada que esteja ou ficou confinada na casa dos patrões? Fala com a gente

bahia
17.04.2021, 11:19:00
Tira da série 'Confinada', de Leandro Assis e Triscila Oliveira (Foto: Arquivo Leandro Assis/Cedida)

Conhece alguma empregada que esteja ou ficou confinada na casa dos patrões? Fala com a gente

CORREIO busca conhecer mais histórias de mulheres forçadas ao confinamento; saiba como denunciar  

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

“Tá aí o que eu e outras domésticas passaram e passar por necessidade”, escreveu ao CORREIO uma empregada doméstica que ficou sem direito à própria liberdade, de março a dezembro do ano passado. A revelação aconteceu depois da reportagem sobre mulheres que eram obrigadas a uma quarentena forçada na casa dos patrões. “Graças a Deus me libertei”, comemorou. Você também é ou conhece uma empregada que esteja ou ficou confinada na casa dos chefes depois que a pandemia começou? Queremos saber suas histórias. 

Os relatos podem ser enviados anonimamente para os seguintes e-mails: fernanda.santana@redebahia.com.br e redacao@correio24horas.com.br. Também é possível falar conosco pelo WhatsApp 71 99983-3650. Os nomes serão mantidos sob sigilo pela publicação, como também serão ocultados quaisquer detalhes que possam identificar as mulheres que passaram ou passam por confinamento neste momento. Você pode nos ajudar a encontrar mulheres que estejam nessa situação, mas com medo de denunciar. Pode ser uma mãe, uma amiga ou uma conhecida ou até você que lê esse chamado e se reconhece como confinada. 

As empregadas, muitas vezes, aceitam acordos abusivos por falta de opção. Caso não aceitem o acordo de ficar na casa dos patrões, podem ser demitidas. Alguns patrões têm alegado “medo de contaminação” e exigido que as funcionárias permaneçam numa espécie de quarentena forçada com eles. Em 2020, 106 mil pessoas empregadas em trabalhos domésticos - como as empregadas domésticas - perderam seus empregados na Bahia, o que intensifica o cenário de medo e apreensão. Mas, não há qualquer legalidade em qualquer acordo que prive uma funcionária da liberdade, reconhece o Ministério Público do Trabalho.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas