Copom inicia hoje reunião para definir taxa de juros

economia
30.05.2017, 10:39:00
Atualizado: 30.05.2017, 10:49:03

Copom inicia hoje reunião para definir taxa de juros

É o primeiro encontro do comitê após início da crise política envolvendo a delação de empresário. Mercado espera continuidade na redução da Selic

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) inicia hoje (30/5), em Brasília, a quarta reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic. É a primeira vez que o comitê se reúne para discutir os juros básicos da economia após o início de uma nova crise política no país, deflagrada após a divulgação das gravações de uma conversa comprometedora entre o empresário Joesley Batista, delator de esquemas de corrupção em órgãos do governo federal, e o presidente da República Michel Temer. Ainda assim, as Instituições financeiras, consultadas pelo BC, esperam que a Selic seja reduzida em 1 ponto percentual, caindo para 11,25% ao ano.

Hoje, pela manhã, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, e diretores do banco fazem a análise de mercado. À tarde, é feita a análise de conjuntura. Amanhã (31), à tarde, no segundo dia de reunião, após análise da perspectiva para a inflação e das alternativas para a Selic, a diretoria do BC define a taxa. A decisão será anunciada às 18h. Para o mercado financeiro, a Selic continuará a ser reduzida em 2017, encerrando o período em 8,5% ao ano segundo ados divulgados pelo Boletim Focus.

A taxa Selic vem sendo reduzida desde outubro do ano passado, quando passou de 14,25% para 14% ao ano. Em novembro, houve mais um corte de 0,25 ponto percentual, seguido por reduções de 0,75 ponto percentual em janeiro e em fevereiro. Em abril, o Copom acelerou o ritmo de cortes para 1 ponto percentual.

Com a crise política, o mercado financeiro aumentou levemente a projeção para a inflação, após 11 reduções seguidas. Entretanto, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) continua abaixo do centro da meta a ser perseguida pelo BC, que é 4,5%. Para o mercado financeiro, a inflação vai encerrar 2017 em 3,95%.

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e consequentemente a inflação. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação. O contrário ocorreu quando os juros aumentam.

Com informações da Agência Brasil.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas