Corpo de jornalista foi dissolvido, afirma Turquia

mundo
03.11.2018, 10:25:37
Atualizado: 03.11.2018, 10:31:18

Corpo de jornalista foi dissolvido, afirma Turquia

Jornalista turco foi morto dentro do consulado da Arábia Saudita

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O corpo do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado há um mês no Consulado da Arábia Saudita em Istambul, foi esquartejado e dissolvido em uma substância química, afirmou nesta sexta-feira, 2, Yasin Aktay, amigo de Khashoggi e assessor do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ao jornal Hürriyet. "Sabíamos que o corpo de Khashoggi tinha sido desmembrado, mas agora temos evidências de que não só o esquartejaram, mas também o dissolveram", disse Aktay.

Os assassinos do jornalista, um crítico do regime saudita que vivia exilado nos Estados Unidos, desmembraram o seu corpo para que fosse dissolvido com mais facilidade, segundo a Turquia. Os criminosos formavam um comando de aproximadamente 15 agentes enviados por Riad. O príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, é apontado pela Turquia como o mandante do crime.

"De acordo com as últimas informações, a razão pela qual ele foi cortado em pedaços foi para poder dissolvê-lo mais facilmente. O objetivo era não deixar vestígios do corpo", disse Aktay.

O Ministério Público da Turquia confirmou, na quarta-feira, que o corpo do jornalista havia sido esquartejado. "Não há nada razoável que possa explicar isso. Matar uma pessoa inocente é um crime. Tratar o corpo assim é outro crime e uma vergonhat, acrescentou Aktay. "(O corpo) foi procurado em todos os lugares que aparecem no sistema de câmeras de vigilância, mas não foi encontrado. O que há são indícios", acrescentou o assessor de Erdogan.

Responsabilidade
Ontem, Erdogan, disse que a ordem para assassinar Khashoggi veio do "mais alto escalão" do governo da Arábia Saudita. "Sabemos que os executores estão entre os 18 suspeitos detidos na Arábia Saudita. E sabemos que a ordem para matar Khashoggi veio dos mais altos níveis do governo saudita", escreveu Erdogan em um artigo no jornal Washington Post. 

No entanto, o presidente turco isentou o rei Salman de qualquer responsabilidade sobre o crime. "Gostaria de enfatizar que Turquia e Arábia Saudita têm relações amistosas e não acredito, por um só segundo, que o rei Salman, guardião das santas mesquitas, tenha ordenado o assassinato de Khashoggi." (Com Agências Internacionais)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048