Corpo, tempo e liberdade

quantA
13.03.2020, 06:00:00
Atualizado: 13.03.2020, 09:30:38

Corpo, tempo e liberdade


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Processo e resultado, tudo importa. Ninguém sai igual da experiência de se encontrar com a imagem do próprio corpo nu. Em papel, impressa, emoldurada, exposta. Essa foi a experiência de mulheres (in)comuns, acima dos 40. Para elas, o momento em que nossos corpos "perdem valor" social, ganhou outro tom.

Nanda Leturiondo


A fotógrafa é Nanda Leturiondo. Artista visual, graduada em pedagogia e especialista em linguagem e literatura, há mais de 15 anos, trabalha com arte, comunicação e cultura. São delas as fotos que ilustram esta página e, junto com muitas outras, estão expostas no Instituto Cervantes, até o próximo dia 31. Sou Um Corpo No Tempo é o nome da exposição que traz a nudez de mulheres acima dos 40. É lindo. Vem ver.

Entrevista Nanda Leturiondo

Quanta - De onde surgiu esse projeto?

Nanda - De um interesse permanente por registros, por biografias, pelo gosto de criar narrativas, de contar o que o olho vê. Também do desejo de provocar mesmo a atenção, os olhares para a beleza que se revela na passagem do tempo num corpo feminino.

Q - Como é a sua própria relação com a passagem do tempo?

N - A passagem do tempo, pra mim, tem sido interessante porque a medida em que me sinto desafiada pelas mudanças, também há uma redescoberta desse corpo que é naturalmente transitório e belo justamente por isso.

Q - Por que apenas mulheres?

N - Primeiro porque acredito que as mulheres são de modo inevitável e fortemente perpassadas por questões do corpo, sempre. Segundo, porque este tema do corpo maduro, neste momento, me interpela. Após os 40 anos são muitas as mudanças. Lidar com a passagem do tempo numa sociedade marcada por uma estética que privilegia, valoriza e legitima como belo e desejável o corpo jovem e que tende a invisibilizar corpos maduros, é uma questão. Confrontar essa ideia significa um rompimento que me interessa muito, é romper com imposições que nos aprisionam, nos cerceiam e de certo modo tentam nos apagar.

Nanã Dias (fotos: Nanda Leturiondo)

"Sou um corpo muito mais inteiro e festeiro depois da experiência de participar desse trabalho. Pra mim, é sobre coragem. De arriscar e ser, do jeito que der e vier, nossa inteireza num tempo outro. Depois desse encontro, a gente segue diferente. Uma reviravolta sem roteiro, que acontece pelas vias do que ainda não dava pra ser dito e que, talvez o encontro olhar-lente-corpo-mulheres-naturezas, desnude. Logo no início não dá pra saber muito bem o quê. Mas o tempo é rei e vai revelando, como as coisas sagradas acontecem. As nossas transformações-mulheres também são. E seguem reverberando, abrindo caminhos, brechas, intensidades, reencontro, descobertas, potências-criações."

Nãna Dias, psicóloga, 48

Luciene Souza


"Em tempos de retoques e harmonizações faciais, reconhecer que sou um corpo no tempo e que, como tal, não preciso sucumbir ao padrão de “beleza” dessa nossa sociedade é libertador. Ser vista pelas lentes de outra mulher também é significativo, especialmente quando o olhar vem sem julgamentos, sem críticas, incentivando e mostrando que há beleza em nossas diferenças, aliás, que a beleza se encontra exatamente, nelas. Sou grata pela oportunidade de ser eu, sem make, sem fotoshop, sem tentativas equivocadas de parecer aquilo que não sou. Sigo acreditando que o tempo é um senhor sábio e que a gente tem namorado de um jeito que me faz muito bem."

Luciene Souza, professora e contadora de histórias, 46

Miriam Venâncio

"Para mim, foi importante ver o quanto estou confortável com meu corpo alegre, brincante e vivido. Foi como celebrar a história contida nele, todas as experiências vividas, filhos, amores, marcas... sou muito grata a Nanda por oferecer esse "se carinhar", a mim e às outras mulheres que participam da mostra, que revela a beleza do que somos!"

Miriam, psicóloga, 55

FICHA DA EXPOSIÇÃO SOU UM CORPO NO TEMPO

LOCAL: Instituto Cervantes – Av. Sete de setembro, 2792, Ladeira da Barra

HORÁRIO: segunda a sexta das 9h às 19h / sábados das 9h às 16h

ENTRADA: Gratuita

DATA: até 31/3

INFORMAÇÕES: leturiondo.nanda@gmail.com

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas