Criança desaparecida é achada morta em quintal vizinho à casa da família

salvador
17.01.2019, 15:40:00
Atualizado: 17.01.2019, 18:08:48

Criança desaparecida é achada morta em quintal vizinho à casa da família

Elaine, 10 anos, saiu de casa segunda (14) para comprar pipoca e sumiu

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O corpo de uma criança de 10 anos foi encontrado no final da manhã desta quinta-feira (17) em um terreno vizinho à casa da família dela,  no bairro de Alto de Coutos, em Salvador. Maria Elaine Sobral Cortes havia sido vista pela última vez na segunda-feira (14), por volta das 15h, quando saiu para comprar pipoca. Após a família constatar o desaparecimento, moradores do bairro se uniram, em solidariedade, para ajudar os parentes da menina nas buscas.

Os vizinhos localizaram o corpo no final da manhã desta quinta-feira, na Travessa 15 de Novembro, e, de acordo com amigos da família, há marcas de violência no corpo da vítima. A menina ficou sozinha em casa na última segunda-feira, após a madrasta sair para levar a irmã dela ao hospital. Já o pai da criança estava no trabalho, segundo vizinhos. A menina perdeu a mãe há dois anos.

Cartaz de quando a garota desapareceu (Foto: Reprodução)

Uma amiga da família disse ao CORREIO que todo o bairro está desolado. "É uma crueldade fazer isso com uma criança, que é inocente. A gente quer que a justiça seja feita e que esse monstro pague por tudo o que fez", disse ela, que estava muito emocionada.

"Elaine era conhecida por todos os moradores de Alto de Coutos e, com a notícia da morte dela, algumas lojas da região fecharam as portas. Está todo mundo de luto", declarou a amiga da família, a quem Elaine chamava de tia. Ainda segundo ela, o corpo foi encaminhado para perícia e os familiares devem fazer o reconhecimento nesta sexta-feira (18), no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IML).

(Foto: Reprodução)

O pai de Elaine, seu João, não conseguiu conversar com a equipe do CORREIO. Ele disse apenas que o momento era de muita dor e que não tinha a menor condição de falar nada neste momento.

As investigações estão sob a responsabilidade da Polícia Civil e ainda não há informação sobre autoria e motivação do crime.

* Sob supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas