Dançarino morre e outras duas pessoas ficam feridas em ataque de facção

salvador
05.12.2019, 16:42:00
Atualizado: 05.12.2019, 21:37:47

Dançarino morre e outras duas pessoas ficam feridas em ataque de facção

Três homens e uma mulher em um carro atiraram contra moradores em São João do Cabrito

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

 Dançarino foi morto em frente de igreja (Foto: Bruno Wendel/CORREIO)

O dançarino Marcos Paulo Santos, 19 anos, foi morto na noite de quarta-feira (4) na Rua dos Ferroviários, próximo à entrada de São João do Cabrito, região do Subúrbio Ferroviário. Por volta das 21h, as pessoas chegavam do trabalho, da escola, voltavam dos cultos. A via principal estava movimentada. Mas rajadas de tiros interromperam a paz - os disparos vieram de um carro sedan branco, ocupado por três homens e uma mulher. Os tiros acertaram Marcos, que morreu no local.

Marcos, o Marquinhos, como era conhecido na região, fazia parte do grupo de dança As Abusadas e já participou de uma produção da cantora Daniela Mercury – um lyric vídeo (um clip somente com coreografia e a música sem a participação do cantor).  Mercury emitiu uma nota lamentando a morte do dançarino (veja abaixo). 

Na hora dos disparos, Marcos estava com um amigo, conhecido como Paulinho, e uma terceira pessoa, ainda não identificada, que também foram atingidos. Segundo moradores, Paulinho foi baleado nas nádegas e estaria internado no Hospital do Subúrbio. Não há detalhes sobre a circunstância de como a terceira pessoa foi atingida e para onde foi socorrida.  

Ainda de acordo com moradores, outras pessoas teriam sido atingidas num segundo momento do ataque – quando os bandidos deixaram o local onde Marcos foi morto – e também encaminhadas ao hospital. Ainda não há confirmações da quantidade e identificação dos feridos. 

Moradores relataram ao CORREIO que o ataque está relacionado a uma briga recente entre integrantes da própria facção Bonde do Maluco (BDM), que domina o tráfico de São João do Cabrito e Plataforma. Disseram ainda que um outro grupo de criminosos estava num Celta preto e saiu atirando contra os moradores. 

Procurada, a Polícia Civil informou através de nota que equipes da 3ª Delegacia de Homicídios - BTS investigam a autoria e motivação da morte de Marcos e as duas tentativas de homicídios em São João do Cabrito. “Conforme informações preliminares, os disparos foram efetuados de dentro de dois veículos.  Policiais da 3ª DH / BTS realizam diligências para identificar e prender os autores”, diz nota. 

Marcos fazia parte de um grupo de dança e já participou de uma produção da cantora Daniela Mercury (Foto: Arquivo pessoal)

Ataque
O CORREIO conversou com testemunhas do crime. Uma delas é um parente de Marcos e contou que ele e Paulinho voltavam juntos de um jogo de sinuca, quando foram surpreendidos em frente à uma igreja protestante. Eles seguiam para suas casas, ocasião em que o carro sedan passava pela na Rua dos Ferroviários, próximo à entrada de São João do Cabrito.

“O carro parou perto dele e o cara que estava no banco do carona o chamou. Disse: ‘Ei, rapaz, vem cá’. Ele, inocentemente, se aproximou e o cara sacou a arma e efetuou o primeiro disparo. Marcos caiu com um tiro no rosto”, contou o parente. 

Em seguida, enquanto o motorista permanecia no carro, desceram dois homens e uma mulher e atiraram contra Paulinho, que já havia corrido quando Marcos levou o primeiro tiro. Na hora, mesmo ferido, Paulinho conseguiu abrigo na casa de vizinhos.

Marcos ainda agonizava quando o corpo dele foi crivado pelas balas. “Quando chegaram, peritos da Polícia Técnica apontaram pelo menos 15 perfurações e recolheram 25 cápsulas em volta do corpo. Além de os três atirarem em Marcos e Paulinho, a mulher disparou aleatoriamente contra as pessoas. Foi Deus que não deixou a tragédia ser maior”, contou a testemunha. 

Um outro morador, testemunha do crime, disse que os assassinos saíram atirando contra os estabelecimentos comerciais. “Eles promoveram o terror. Dispararam contra bares, igreja, todo mundo correndo, caindo no chão, passando mal, mães desesperadas porque os filhos estavam na rua. Quem chegava à rua tinha que se abrigar na casa de vizinhos”, disse. 

Testemunhas relatam ainda que os quatro criminoso do carro sedan atiraram em outras pessoas antes de matarem o dançarino. "Já vinham disparando desde o final da rua. Pouco depois encontraram Marcos e o amigo. Além do sedan, teve um Celta preto que passou atirando", relatou.  

Briga
Segundo moradores, há uma semana traficantes da facção BDM passaram de parceiros a inimigos. A rixa é entre o grupo que controla o tráfico na Rua do Mocotó e Rua da Areia, situadas no final de linha de Plataforma e o grupo da Rua dos Ferroviários, em São João do Cabrito.

“Tudo começou quando rapazes de São João do Cabrito foram confundidos como integrantes de outra facção. Há uma semana, eles aprendiam a andar de moto no final de linha de Plataforma, quando os traficantes da área resolveram atirar neles, pois subiam e desciam várias vezes e nunca tiravam o capacete”, contou um morador. Os rapazes foram baleados, mas não morreram. 

Então, neste sábado, os traficantes da Rua dos Ferroviários pegaram na Rua dos Araçás uma mulher que faz parte do grupo que comanda o tráfico no final de linha de Plataforma. “Além de apanhar, ela teve os celulares roubados. Ela é a mesma que participou do ataque de ontem”, contou. No mesmo dia, o grupo da Rua dos Ferroviários foi ao final de linha de Plataforma e atirou contra três do então grupo rival – dois deles teriam morrido. “O que aconteceu ontem foi uma vingança”, complementou.  

Restaurante
Além de dançarino, Marcos vendia pastel na porta de casa. “Era um rapaz trabalhador. Ele queria ganhar dinheiro com a dança, mas, enquanto isso não chegava, ele vendia pastel para comprar suas coisas, inclusive, ele começaria a trabalhar hoje num restaurante da Barra”, disse uma amiga do rapaz.

O CORREIO esteve na casa de Marcos, mas a mãe dele preferiu não comentar o assunto. Ainda não há informações sobre o dia, horário e local do enterro dele. 

As Abusadas 
Marcos era conhecido em São João do Cabrito pelas suas apresentações à frente do grupo de funk As Abusadas – composto por uma moça e cinco rapazes. O grupo de dança se apresentava constantemente na comunidade, principalmente nos eventos do Teatro de Plataforma, além de participação em programas de TV. Algumas das apresentações estão disponíveis na página do YouTube. 

O dançarino chegou a fazer uma participação em uma das produções da cantora Daniela Mercury, que lamentou a morte do rapaz em nota. "Estou muito sentida. Mas há algo que temos que falar: Os assassinatos de jovens negros e pobres no Brasil têm números alarmantes e precisamos acabar com isso", escreveu. 

Confira íntegra da nota:
“Eu sinto muitíssimo a morte precoce de um jovem de 18 anos. Eu não conheci Marcos pessoalmente, mas vi as imagens de quando ele fez uma participação no lyric vídeo de Samba Presidente! O lyric vídeo não teve a minha participação. Escolhemos colocar a drag queen Petra Peron para me interpretar. Marcos tinha uma elasticidade impressionante e muito talento para dançar. Estou muito sentida. Mas há algo que temos que falar: Os assassinatos de jovens negros e pobres no Brasil têm números alarmantes e precisamos acabar com isso. É um massacre o que acontece nesse país com a população negra. Eu me coloco à disposição para participar dessa luta no Brasil. Não podemos fingir que não estamos vendo. É revoltante ver isso, ver o sofrimento da família de marcos. Sinto muito mesmo e espero que o assassino seja identificado e preso. Um beijo especial para a mãe dele e para toda família” Daniela Mercury

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas