De olhos abertos: ruas, praias e mar serão alvos de operações durante o Verão

coronavírus
22.12.2020, 06:00:00
Pelourinho será um dos principais focos da Guarda Municipal devido ao aumento dos turistas (Arisson Marinho/CORREIO)

De olhos abertos: ruas, praias e mar serão alvos de operações durante o Verão

Operações farão fiscalização e orientação dos cidadãos durante o período

O Verão chegou na segunda-feira (21). Com ele e o aumento da temperatura na capital baiana, ruas, praias e até a Baía de Todos os Santos passam a receber mais pessoas. Ainda mais em Salvador, que além de ter uma movimentação intensa dos soteropolitanos, é o destino nacional mais procurado após o reinício das viagens na pandemia segundo pesquisa da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult).

Em um cenário ainda pandêmico e com o aumento do número de infectados, a perspectiva de alta procura demanda o redobramento dos cuidados sanitários durante os próximos meses. Seja em terra pela Guarda Cívil Municipal (GCM), ou pelo mar através da Capitania dos Portos da Bahia (CPBA), operações de controle serão desenvolvidas visando a segurança e controle da infecção pelo coronavírus.

Em terra firme, a GCM tem como um dos focos principais a região do Centro Histórico, local que atrai turistas durante todo ano, mas que, no verão, vê o número de visitantes se multiplicar. Ainda sobre a terra, só que mais perto da água, também haverá ações. As praias, que durante a fase de reabertura causaram problemas com aglomerações e desrespeitos às medidas sanitárias, também serão alvos de operações que buscam fiscalizar e orientar o comportamento dos banhistas.

Sobre as águas, as ações ficam a cargo da Marinha, que tem como alvos a Baía de Todos Santos (BTS) como um todo e regiões litorâneas do interior como Valença e Morro de São Paulo. O trabalho no mar foca no cumprimento de regras determinadas para navegações e o combate à poluição marítima no período.

Operações vão fiscalizar e orientar soteropolitanos e turistas no verão (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Nas praias

Não é nenhuma novidade que as praias de Salvador são motivo de preocupação quando o assunto é manter o respeito às regras sanitárias. Desde a reabertura das praias, que foram acessadas mesmo quando estavam interditadas de março até agosto, não foi nada incomum ver praias com o número excessivo de pessoas que não cumpriam o distanciamento social orientado e faziam aquela aglomeração. Por isso mesmo, são as praias um dos principais focos da Operação Verão da GCM. Para elas, serão 100 guardas equipados em 20 viaturas e cinco motos, que vão percorrer toda orla da cidade e reforçar as ações de fiscalização e cumprimento dos protocolos da covid-19.

Nas areias soteropolitanas, o desenvolvimento da fiscalização será parecido com a articulação da Operação Tira o Pé da Areia, feita em meses anteriores para coibir a ida às praias em dias de interdição. Nesse caso, a tarefa dos agentes não será retirar as pessoas da areia, mas acompanhar as praias e orientar banhistas que cheguem a descumprir recomendações. Isso é o que garante o Inspetor Geral da GCM, Marcelo Silva. "A nossa ação, tanto nas praia como nas ruas, é de um viés preventivo que a Guarda traz em seu DNA. Percebendo o aumento do número de presentes em Salvador, entendemos necessário a deflagração de uma operação para o cumprimento dos protocolos contra o coronavírus. E, sem dúvida, não dá para descartar as praias, que serão altamente procuradas nessa estação e precisam de um controle, um acompanhamento mais próximo", diz.

Silva afirma que operação nas praias e no Centro Histórico tem caráter preventivo (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Entre todas as praias, algumas ganharão mais atenção por parte da GCM. Isso porque, para a Guarda, são áreas com uma cultura "praieira" ainda mais forte no Verão. "Nós daremos uma atenção maior às praias de grande movimento em que a cultura de litoral está enraizada nessa época. Algumas praias como Ribeira, Piatã e Itapuã estão no nosso primeiro plano de ação. Uma ação que visa a conscientização das pessoas de que, no momento, precisamos aprender a usar o que tínhamos de maneira livre com mais cuidado para preservar a saúde coletiva", explica Silva.

No Centro Histórico 

Em terra firme, mais especificamente na região do Pelourinho, a fiscalização da GCM será parecida com o que deve acontecer nas areias de Salvador. Agentes estarão em postos estratégicos na área, que, durante esse período, é ainda mais procurada por turistas, para orientar os caminhantes sobre as restrições sanitárias como o uso de máscaras e o distanciamento social enquanto os visitantes apreciam as belezas do Pelô. Para lá, estarão disponíveis, em revezamento, os 70 agentes que já trabalham na região no trabalho de apoio ao turista e, na operação, serão responsáveis pela fiscalização do cumprimento das normas sanitárias.

Silva também aproveitou para explicar o porquê do Centro Histórico receber atenção tão semelhante às praias mesmo que a região não tenha sido sede de aglomerações ou descaso com as restrições sanitárias nos últimos meses. "Desenvolvemos essa ação para agir quanto a questão do Centro Histórico, que deve voltar a receber muitos turistas durantes esses meses, onde a retomada do turismo se consolida. Salvador é um destino muito bem quisto pelos turistas segundo pesquisas dos órgãos municipais dessa área e o turista, sem dúvida, não sai daqui antes de ir ao Pelourinho, no Santo Antônio e naquela região de maneira geral", afirma.

Aviso aos navegantes

Engana-se quem acha que vai escapar de toda essa fiscalização ao partir para um passeio em uma lancha, uma escuna, um iate ou qualquer outro tipo de embarcação. Nos mares, o cuidado também será maior. Tudo para inibir as práticas de desrespeito às regras de navegação. É o que afirma Humberto Caldas da Silveira Júnior, vice-almirante e comandante do 2° Distrito Naval. "A operação visa cuidar da segurança de todos no mar. Na Bahia, em decorrência da beleza do litoral, a quantidade de navegantes aumenta e, infelizmente, o acontecimento ações de descuido e desrespeito às normas de navegação cresce junto", declara.

Comandante anunciou Operação Verão na segunda-feira (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Segundo Márcio Gomes Amaral, capitão dos portos da Bahia, a estimativa de aumento de embarcações este ano é de 30% em relação ao Verão anterior. Essa avaliação, de acordo com ele, fez com que a Marinha se preparasse de maneira antecipada para intensificar as ações sobre as águas. Para ele, a BTS é a área marítima que demanda mais atenção. "A Baía de Todos os Santos como um todo chama muita atenção e vai ser muito procurada. Aqui o turismo náutico é muito pulsante. É a área de mais preocupação para nós porque normalmente registra muitas infrações", informa.

Segundo o capitão, a BTS é a área marítima que mais preocupa a Marinha (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Amaral também destaca as infrações mais graves e mais comuns no período, que preocupam mais a Marinha no quesito de segurança. Para ele, essas podem significar a existência de acidentes fatais ou não no mar. "Das práticas mais graves que costumamos registrar nesse período, eu destaco três. A não existência de colete salva-vidas para todos tripulantes, o que dificulta e muito a sobrevivência em caso de acidente, a lotação exacerbada das embarcações que carregam mais gente do que o permitido e o consumo de bebida alcoólica pelos condutores. Três infrações que se repetem e oferecem um risco imenso para as pessoas", diz. Além das infrações citadas pelo capitão, existem outras como a falta de habilitação, documentação incompleta da embarcação e a falta de condições de navegabilidade da embarcação. Se verificar algumas dessas infrações, não entre na embarcação e denuncie por meio do telefone 185 ou diretamente à Capitania dos Portos. 

*Com orientação da subeditora Fernanda Varela

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas