Diego, a tartaruga que transou tanto a ponto de salvar a espécie, se aposenta

em alta
13.01.2020, 19:30:00
Atualizado: 13.01.2020, 19:36:59
(Foto: Divulgação / Galapagos National Park)

Diego, a tartaruga que transou tanto a ponto de salvar a espécie, se aposenta

Com 100 anos de serviços prestados, garanhão teve mais de 800 filhos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Poucos animais têm tanta importância para a sua espécie quanto Diego - a tartaruga gigante que, literalmente, transou tantas vezes que, sozinho, foi capaz de salvar a sua espécie da extinção. Com mais de 100 anos de serviços prestados, o garanhão se acasalou mais de 800 vezes, mas agora quer curtir um merecido descanso.

Com um extraordinário sex-appel, Diego trabalhou arduamente na Ilha de Galápagos, onde era um dos 14 machos selecionados para um programa de acasalamento. O projeto foi considerado um sucesso, muito por causa da quase inesgotável libido deste herói.

Desde 1960, o programa deu vida a mais de 2 mil tartarugas, das quais cerca de 1800 ainda estão vivas na ilha. Com o programa concluído, Diego vai retornar em março para sua ilha nativa, Española, segundo informou o serviço de Parques Nacionais de Galápagos (PNG).

Assim, ele vai se somar a uma população de 1,8 mil tartarugas, das quais ao menos 40% são suas descendentes diretas.

"Ele contribuiu com uma grande porcentagem da linhagem que estamos devolvendo a Española", afirmou Jorge Carrion, diretor do PNG, à agência France Presse.

"Estamos felizes com a possibilidade de devolver essa tartaruga a seu habitat natural."

Diego é um Chelonoidis hoodensis, espécie encontrada na natureza apenas nessa ilha ao sul do arquipélago de Galápagos, no Pacífico.

O arquipélago, a 900 km da costa do Equador, ficou famoso mundialmente por ter sido palco de estudos do naturalista inglês Charles Darwin, autor da Teoria da Evolução, graças a sua grande e peculiar biodiversidade.

Calcula-se que Diego tenha sido retirado de Galápagos cerca de 80 anos atrás, por uma expedição científica que o levou ao Zoológico de San Diego, nos EUA.

Cerca de 60 anos atrás, sobravam apenas 2 machos e 12 fêmeas de sua espécie em Española. Para ajudar no programa de repovoamento, Diego foi identificado como um dos últimos remanescentes entre os Chelonoidis hoodensis e levado de volta para a Estação de Pesquisas Charles Darwin, em Galápagos, em 1977.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas