Dois de Julho: cientistas baianos fazem manifesto contra redução de verba

salvador
02.07.2018, 07:20:21
Atualizado: 02.07.2018, 11:16:52
(Foto: Milena Teixeira/CORREIO)

Dois de Julho: cientistas baianos fazem manifesto contra redução de verba

Ato acontece durante o cortejo cívico

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Pesquisadores e professores baianos realizam um protesto contra o corte de verbas nas instituições federais no desfile do Dois de Julho, na manhã desta terça-feira (2). A manifestação tem o propósito de chamar atenção para a falta de financiamento em pesquisas e projetos. 

O presidente da Academia Baiana de Ciências da Bahia, Jailson Andrade, participa do ato. Ele disse que a manifestação é em favor da ciência. "Estamos aqui pra chamar atenção da sociedade e do governo sobre o valor da ciência. Praticamente estamos com a metade do orçamento de cinco anos atrás Por isso, aproveitamos o Dois de Julho, que é a maior data da Bahia, para fazer esse ato".

Para o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu Moreira, a falta de investimento traz constantes problemas para a população. "Todo aparato de ciência e tecnologia do país está ameaçado. Quando se deixa de investir em ciência todo mundo fica prejudicado, principalmente, quem precisa de saúde e educação. Queremos defender a ciência brasileira", afirmou.

Acompanhe em tempo real tudo que acontece no Dois de Julho 

A participação da Academia de Ciências da Bahia e entidades apoiadoras a favor da pesquisa científica começou por volta das 7h, no Largo da Lapinha, próximo ao Coreto, exatamente onde tradicionalmente ocorre a concentração para a saída do desfile. No local, como explica o presidente da ACB, Jailson Andrade, foi lançado o manifesto Em Defesa da Ciência, a ser assinada por diversas instituições.

O objetivo, segundo Andrade, é ressaltar a importância da ciência para a sociedade e pontuar que “trata-se de uma atividade complexa e que não pode ser descontinuada. Requer, entre outros fatores, planejamento e financiamento adequados e de longo prazo”. Segundo ele, há pelo menos cinco anos o setor vem sofrendo cortes orçamentários significativos e que comprometem o seu futuro no Brasil.

“A situação é de penúria generalizada”, diz ele, complementando: “Se, por um lado, a maioria dos governos estaduais não cumpre os seus compromissos com o investimento em ciência e tecnologia, por outro lado o governo federal, além de não cumprir os repasses para o Fundo Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (FNDCT), tem imposto à área grandes cortes orçamentários”.

O fato de a Academia ter escolhido os festejos pela Independência da Bahia para essa manifestação a favor da Ciência não foi por acaso. “O 2 de Julho é uma data heroica para a Bahia e o Brasil. Simboliza a verdadeira Independência do País. Nesse sentido, a Academia de Ciências da Bahia está liderando esta manifestação, com o objetivo de despertar a população para o valor da ciência, bem como revelar o perigo que a atual situação de penúria orçamentária representa para o futuro do país”, finaliza.

*com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas