Dona Lurdes e a saudade do Brasil

fernando guerreiro
11.04.2021, 18:38:09
Atualizado: 11.04.2021, 18:46:23
(Reprodução)

Dona Lurdes e a saudade do Brasil


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Sou noveleiro assumido, das antigas, e há muito tempo não vejo uma heroína tomar conta do país como Dona Lurdes. Normalmente nosso imaginário se apaixona e torce pelas vilãs,  de Odete a Nazaré, de Raquel a Carminha. Com Amor de Mãe a roleta virou e a heroína nordestina tomou de assalto nossos corações e mentes.

Conheço Regina Casé de longas datas, desde que assisti 14 vezes Trate-me Leão, clássico do grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, que tomou de assalto os tablados e virou de ponta cabeça o teatro brasileiro. E quem era destaque absoluto da peça: uma atriz desengonçada , magrinha , mas com um time de humor e um carisma que nunca tinha visto nos palcos. Regina vem de uma linhagem Dercy, Marília, Laura, com uma coragem de se desconstruir a cada personagem, revelando antropofagicamente um Brasil contraditório e imperfeito, mambembe e circense. E tudo isso com uma inteligência cênica primorosa. Tudo que vi de Regina atriz me encantou, personagens das ruas, dos sertões, dos becos, de um Brasil sofrido, mas encantadoramente humano.

Lurdes caiu certeira nas mãos desta operária das artes, que criou uma personagem antológica. Da bolsa com a toalhinha, ao andar torto, do sorriso fácil, ao olhar desconfiado, do abraço forte à explosão de emoções. Dona Lurdes trouxe de volta um Brasil que parece distante, do amor profundo, da família querida, da gratidão, da honestidade,  da ética e principalmente, da tolerância e do perdão. Que ela vire seriado, filme, nova novela, vizinha, amiga, professora que resgate um país que parece perdido na negação da pandemia, na louvação ao golpe militar, na grosseria, no impropério de uma baixa política e numa mãe que assiste um filho ser assassinado e no dia seguinte vai a um salão de beleza. 

Ainda tenho fé,  vamos resgatar nossa dignidade tão massacrada e Lurdes vai virar nossa heroína para sempre. Parabéns Manuela Dias, parabéns José Luiz Villamarim e parabéns Regina, nesse período de trevas e sombras, Dona Lurdes aparece para nos trazer um pouco de esperança.

Regina Casé viveu Donas Lurdes na novela que terminou na última sexta-feira (9)


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas