Dono da Havan tem auxílio emergencial aprovado em seu nome

em alta
03.06.2020, 08:54:54
Atualizado: 03.06.2020, 09:14:34
(Foto: Reprodução)

Dono da Havan tem auxílio emergencial aprovado em seu nome

Sétimo homem mais rico do Brasil, Luciano Hang diz que foi vítima de golpe

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O nome de Luciano Hang, dono nas lojas Havan, foi cadastrado e aprovado no auxílio emergencial de R$ 600 pago pelo governo federal por causa da pandemia do coronavírus. O empresário teve seus dados pessoas vazados por hackers no último domingo (31).

Em nota enviada ao jornal Folha de S. Paulo, Hang nega ter solicitado o auxílio, que prevê pagamento de três parcelas de R$ 600. O empresário, notório apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirma ter pedido à PF (Polícia Federal) uma investigação sobre a fraude e o vazamento de seus dados pessoais.

"Como todo brasileiro de bem me sinto lesado com esses atos criminosos, que têm por objetivo apenas prejudicar as vítimas e suas famílias. Os autores devem ser exemplarmente condenados e punidos", diz Hang, culpando hackers pelo suposto golpe. 

No site da Caixa, o status do suposto pedido de Hang aparecia às 18h45 desta terça (2) como "em avaliação", mas também constava a informação de que o auxílio havia sido "aprovado e enviado para crédito". 

A Controladoria-Geral da União disse no dia 26 de maio que divulgaria em até 15 dias a lista com os cerca de 53 milhões de cadastrados que receberão o auxílio emergencial por causa da pandemia de coronavírus. 

Hang aparece como o sétimo homem mais rico do país na última lista de bilionários elaborada pela revista Forbes. O empresário teria patrimônio de US$ 3,6 bilhões (R$ 18,72 bilhões no câmbio atual), de acordo com a publicação. 

Pelas regras atuais, podem solicitar o auxílio emergencial à Caixa os desempregados maiores de 18 anos que não recebam benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família. 

A renda familiar mensal precisa ser de até R$ 522,50 por pessoa ou de até três salários mínimos (R$ 3.135,00) ao todo. Além disso, existe a exigência de que o solicitante não tenha recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas