'É muito frágil', diz Mandetta sobre uso da cloroquina em casos da Covid-19

coronavírus
03.04.2020, 21:22:00
Atualizado: 03.04.2020, 21:23:56
(foto: divulgação )

'É muito frágil', diz Mandetta sobre uso da cloroquina em casos da Covid-19

Ministro da Saúde disse que substância não é promissora no tratamento do coronavírus

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, resolveu baixar um pouco a expectativa criada em torno da cloroquina, medicação de tratamento de malária que tem sido testada em casos graves de pacientes com covid-19. Anteriormente, Mandetta disse que os primeiros testes científicos com uso de cloroquina começaram a mostrar resultados positivos e a "ciência começa a achar o caminho" no combate à doença.

Nesta sexta-feira (3), porém, Mandetta disse que, após uma reunião com médicos especialistas que analisaram um primeiro trabalho científico publicado pelo New England Journal of Medicine, dos Estados Unidos, concluiu que o resultado não é tão promissor.

"O ‘paper’ (o estudo original a respeito da substância) é muito frágil no caso de cloroquina", disse Mandetta. Ela tem sido defendida pelo presidente Jair Bolsonaro como um remédio eficiente para combater a doença. Nesta semana, sem a presença de Mandetta, Bolsonaro se reuniu com um grupo de médicos para tratar do assunto.

Ontem, Mandetta não mencionou a reunião, mas deu seu recado para Bolsonaro e para os que estiveram com o presidente. "Estou trabalhando com pouca gente, mas normalmente os ‘cabeças brancas’ aqueles que têm mais tempo e vivência, não só de sistema, mas de Medicina, onde a gente está discutindo algumas possibilidades em tempos de tantas incertezas."

Independentemente disso, Mandetta disse que o Ministério da Saúde vai oferecer aos médicos do País a possibilidade de utilizarem a cloroquina como opção de tratamento não apenas para os casos críticos de pacientes, como tem ocorrido até agora, mas também para aqueles que estão em situação grave.

Conforme apurou a Coluna do Estadão, os especialistas em cloroquina que se reuniram com o presidente na quarta-feira o alertaram: os estudos brasileiros sobre o medicamento ainda devem demorar mais dois meses, no mínimo. O presidente da República tomou notas e falou pouco.

Como amplamente divulgado nas últimas semanas, os testes brasileiros devem acontecer em meio a um estudo internacional da Organização Mundial da Saúde (OMS) que a Fiocruz está liderando no Brasil. Chamado de Solidariedade, esse estudo será realizado em 18 hospitais em 12 Estados brasileiros, com foco em seis substâncias, entre elas estão a cloroquina e a hidroxicloroquina (uma versão atenuada do remédio antimalárico, mas que também está sob suspeitas na França, onde ocorreram as primeiras análises de eficácia.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas