Em jejum na Série A, Roger avalia pressão de jogar em casa

e.c. bahia
15.11.2019, 05:00:00
Atualizado: 15.11.2019, 11:49:21
Roger Machado tem a missão de fazer o Bahia vencer o Palmeiras e encerrar o jejum de seis jogos no Campeonato Brasileiro (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Em jejum na Série A, Roger avalia pressão de jogar em casa

Treinador diz que Bahia tem desafio para voltar a vencer no Brasileirão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quando entrar em campo no domingo (17), às 16h, na Fonte Nova, contra o Palmeiras, o Bahia vai viver um momento bem diferente de grande parte da temporada. Se antes jogar em casa significava quase a certeza de conquistar os três pontos, agora o time já começa as partidas pressionado. 

E essa cobrança maior por parte do torcedor tem uma explicação: o time acumula seis jogos sem vencer na Série A. Dentro de casa, o jejum é de cinco partidas. Números que têm deixado elenco e comissão técnica em alerta. 

Na avaliação do técnico Roger Machado, o desafio maior é, nesta reta final do Brasileirão, fazer o time voltar a produzir o que conseguiu durante o primeiro turno. “Agora a pressão maior que nós temos, a interna, é que nós sabemos que podemos voltar ao nível que a gente apresentou no campeonato e nos credenciou a estar entre os primeiros colocados. A nossa campanha foi tão sólida que, passados seis jogos sem obter uma vitória, continuamos em nono lugar. A gordura que nós acumulamos nos permite ainda estar no campeonato. Então, claro que há uma pressão. Mas hoje, mais do que no começo do campeonato, eu acredito nesse time”, afirmou Roger.

Para se ter uma ideia de como o rendimento do Bahia jogando em casa caiu, basta analisar as campanhas do tricolor no primeiro e segundo turnos. Na primeira metade da competição, o Esquadrão venceu seis dos dez jogos que fez como mandante. Foram 21 pontos e um aproveitamento de 70% diante do seu torcedor. No segundo turno, o Bahia ganhou apenas um dos seis jogos em seus domínios. O aproveitamento caiu para 27,8%. 

“No começo do campeonato a gente idealizava uma campanha, mas não imaginava que ia chegar neste momento a uma condição que a não realização desses objetivos imediatos frustrou o torcedor. Eu entendo a mágoa do torcedor, poderia ter sido diferente em várias circunstâncias, mas a frustração é na mesma expectativa que foi gerada. É proporcional ao que a gente já fez”, analisou o treinador tricolor. 

O Bahia tem 43 pontos e ocupa o nono lugar. Ainda está na disputa por uma vaga na Copa Libertadores 2020, mas viu a concorrência abrir distância. O Internacional, sétimo colocado e atualmente último time da zona de classificação, tem 49 pontos, mesmo número do Corinthians, logo atrás.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas