Em meio à disputas de terras, comunidade Açu da Capivara recebe comitiva da SJDHDS

bahia
21.07.2021, 19:41:59
Atualizado: 21.07.2021, 19:59:50
(Divulgação/Michele Brito /SJDHDS)

Em meio à disputas de terras, comunidade Açu da Capivara recebe comitiva da SJDHDS

Representantes do Governo do Estado estiveram no local e conversaram com lideranças ameaçadas de morte, que registraram situação na delegacia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Nesta quarta-feira (21), representantes da Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos (SUDH), da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS), foram até a comunidade Açu da Capivara, em Arembepe, no município de Camaçari, para prestar apoio às 200 famílias que vivem na localidade, e que estão sofrendo diversas ameaças de morte e violações de direitos, devido às disputas de terra na região. 
 
A visita foi realizada pelo superintendente da SUDH, Jones Carvalho, juntamente com os assessores técnicos da secretaria. Os moradores que têm a posse das terras relataram agressões e ameaças de morte feitas  por homens com armas de fogo, e invasões em suas propriedades, inclusive, durante a madrugada. 
 
Além das violências, foram identificadas situações de crime ambiental, com a derrubada de árvores nativas realizadas pelas máquinas usadas pelos agressores.  

“A população está apreensiva, lideranças comunitárias já foram assassinadas. A parte que quer reintegração alega que a terra pertencia aos bisavós, mas os moradores assentados têm cessão de terra para trabalhar e morar, regularizada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária.  Eles possuem a documentação e as pessoas que estão aterrorizando a comunidade, com medidas arbitrárias, não têm mandado de posse. Vamos acompanhar o caso e tomar todas as mediadas cabíveis”, destacou Jones Carvalho. 
 
Após a reunião e visita na localidade para comprovar as invasões, a comitiva acompanhou as vítimas de agressões e ameaçadas de morte até a 26° Delegacia da Polícia Civil de Vila de Abrantes, para registro do Boletim de Ocorrência. 
 
De acordo com a SJDHDS, será solicitada a inclusão de algumas das vítimas no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos. Ainda segundo a secretaria, o caso será levado à Corregedoria Geral do Estado, Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), Ministério Público da Bahia (MP-BA), Defensoria Geral do Estado (DPE-BA) e ao Instituto Do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema). 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048