Empresário morto em Camaçari: polícia investiga outra morte em menos de 24h

salvador
29.07.2021, 05:40:00
Parentes e amigos consolam a mãe do empresário (Foto: Bruno Wendel)

Empresário morto em Camaçari: polícia investiga outra morte em menos de 24h

Autoria e motivação do assassinato de Zeus do Paredão são desconhecidas

Dono do espaço de eventos Mansão Show em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador (RMS), o empresário Sandro da Cruz Santos, 46 anos, o Zeus do Paredão, foi assassinado a tiros quando pedalava com um grupo de ciclistas na Via Parafuso na noite dessa terça-feira (27). Ele era conhecido por promover festas em Camaçari, inclusive paredões. O crime foi praticado por homens que estavam em um carro. 

A mulher de Sandro também estava na hora, mas, assim como os demais que pedalavam, nada pôde fazer. O caso é investigado pela 2ª Delegacia de Homicídios da RMS. O delegado Almir Góes disse não descarta nenhuma hipótese,  nem a de que o crime esteja relacionado à morte de Wendel Santana, baleado na segunda-feira (22) no Bairro 46.
 
“A investigação está no estágio inicial, mas estamos fazendo um paralelo entre os casos devido ao período da ocorrência: menos de 24 horas entre uma morte e outra, e o fato de os dois já terem sido presos por porte ilegal de arma”, disse o delegado, sem detalhar se as vítimas se conheciam ou se os crimes tiveram o mesmo modo de ação. 

(Foto: Reprodução)

Segundo moradores, Sandro resolveu pedalar há pouco tempo por conta do excesso de peso. “Ele dizia que havia engordado muito nessa pandemia. Como não podia fazer as festas, passava mais tempo só comendo e daí resolveu aceitar a sugestão da mulher e eles começaram a pedalar sempre à noite na Via Parafuso”, contou um morador, sem se identificar. 

Sandro foi atingido pouco depois das 18h, quando pedalava próximo à praça de pedágio. “Ninguém sabe se os criminosos já vinham seguindo ele de algum ponto do trajeto ou se o viram quando passavam e foram atrás. O certo é que se aproximaram e atiraram de dentro do carro. Ele caiu.  A mulher dele estava um pouco mais à frente junto com os outros ciclistas, que correram. Os homens desceram e atiraram novamente”, relatou o morador.

Na manhã dessa quarta-feira (28), parentes de Sandro começaram a ser ouvidos pela polícia, que não divulgou o conteúdo dos depoimentos. Um dos primos da vítima estava no estacionamento  da 18ª Delegacia (Camaçari). “Estamos sem condições de falar nada. A família está arrasada”, disse ele, ao lado de outras duas pessoas - um homem e uma jovem - ambas numa BMW X1. Na Rua Estrada 25, no bairro Jardim Limoeiro, parentes e amigos chegavam a todo momento para confortar a mãe do empresário. Apesar das inúmeras tentativas da reportagem, ninguém quis falar sobre o assunto.

Paredões
Sandro era dono da casa de espetáculo Mansão Show que funcionava num terreno ao lado da casa da mãe. Moradores do local disseram que as festas aconteciam há cerca de três anos, mas por causa da pandemia, o espaço foi vendido junto com uma área onde funcionava uma distribuidora de gás, também pertencente a Sandro. “Era um barulho, ninguém dormia. Imagina ter um som bate-estaca no seu ouvido constantemente? As festas que rolavam eram paredões com muita droga e confusão”, contou uma senhora que caminhava pelo local.

Já outros moradores disseram que, apesar dos transtornos, Sandro era uma pessoa prestativa. “Sempre que a gente precisava dele para alguma coisa, dificilmente ele dava um não, só se realmente não estava ao alcance dele, ainda assim, procurava ajudar de outra forma. Sempre no Dia das Crianças ele cedia o espaço para a meninada do bairro brincar. Quando alguém precisava de um espaço para um festa de casamento ou formatura ou qualquer outro tipo de evento, fazia um preço bem abaixo do mercado ou até cedia mesmo”, contou um senhor.

Atualmente, em todo o terreno funciona  uma construtora. “Fomos pegos de surpresa. Era uma pessoa maravilhosa”, disse um homem que estava no carona de uma picape Ranger ao deixar a construtora. Após vender o terreno, há cerca de seis meses, Sandro comprou uma  casa, também no bairro do Limoeiro, só que às margens da Via Parafuso e perto de dois grandes hipermercados e de um shopping center. 

Procurada, a Polícia Militar informou que os policiais do 12º Batalhão foram acionados pelo Cicom após receberem informações sobre a localização do corpo de um homem, vítima de arma de fogo, às margens do acostamento da BA-535, na Via Parafuso, sentindo Salvador, antes do pedágio. “A guarnição isolou a área, enquanto aguardava a chegada do Departamento de Polícia Técnica (DPT) para proceder com a perícia e remoção do corpo. A motivação e a autoria do crime serão investigadas pela Polícia Civil”, complementa a nota.




***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas