Enem 2021 pode ser suspenso por falta de dinheiro, diz Ministério da Educação

educação
05.06.2020, 19:19:00
Atualizado: 05.06.2020, 19:19:45

Enem 2021 pode ser suspenso por falta de dinheiro, diz Ministério da Educação

Corte de R$ 4,2 bilhões no orçamento do MEC previsto para o ano que vem pode inviabilizar exame

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pode não ser aplicado em 2021 por falta de dinheiro. O alerta foi feito pelo Ministério da Educação, em um ofício enviado ao ministro da Economia, Paulo Guedes. A prova é usada como 'porta de entrada' de milhares de estudantes em universidades no Brasil.

O orçamento previsto para o MEC no ano que vem teria um corte de R$ 4,2 bilhões, segundo o Estadão. Para evitar que o Enem seja suspenso, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, solicitou uma complementação de R$ 6,9 bilhões ao limite previsto para 2021. 

O documento enviado a Guedes ainda alerta para o risco de fechamento de campi, cursos e até instituições por falta de recursos.

"Ressalta-se que, dentre os programas que correm risco de não serem continuados, encontra-se o consagrado Exame Nacional do Ensino Médio – Enem, e soma-se a esse prejuízo o fechamento de cursos, campi e possivelmente instituições inteiras, comprometendo a educação superior e a educação profissional e tecnológica – EPT, mantidos com a política de Custeio de Universidades e Institutos", disse Weintraub no ofício, segundo o jornal O Globo.

O pedido ainda será analisado pelo Ministério da Economia, que, atualmente, trabalha na elaboração da proposta orçamentária do ano que vem. O projeto precisa ser enviado ao Congresso Nacional até 31 de agosto de 2020.

A estimativa inicial é que o MEC tenha R$ 18,7 bilhões no ano que vem, uma queda de 18,2% em relação ao montante programado para 2020, de R$ 22,97 bilhões. São as despesas discricionárias (não obrigatórias), que não incluem o pagamento de salários. Mas incluem despesas importantes, como o Enem, a manutenção de universidades e bolsas de ensino. O MEC pede mais R$ 6,9 bilhões.

"O atual montante de recursos consignados no referencial monetário para 2021 poderá prejudicar seriamente diversas políticas públicas, entre elas, as ligadas à educação básica, além de afetar gravemente com possibilidade de interrupção de políticas voltadas para educação superior e exames", escreveu Weintraub.

Em nota técnica, o subsecretário de Planejamento e Orçamento do MEC, Adalton de Rocha Matos, cita que a redução do orçamento "afetará gravemente e poderá interromper também as políticas voltadas para a educação superior", como a concessão de Bolsas de Apoio a Educação Básica (CAPES e FNDE); exames nacionais de educação; o Programa de Residência em Saúde; e o Prouni.

A nota técnica ainda diz que, se o valor for mantido, ele "poderá prejudicar seriamente" diversas políticas públicas, como o Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD); a Política Nacional de Alfabetização; repasses do FNDE para apoio às redes de ensino; o Programa de Inovação Educação Conectada; a conclusão de obras de creches e escolas; e programas de formação de professores.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048