'Estou esperançoso por uma possível volta', avisa Agnaldo Liz

e.c. vitória
26.03.2020, 15:15:00
Atualizado: 26.03.2020, 16:01:34
Técnico Agnaldo Liz foi demitido do Vitória após paralisação do Campeonato Baiano (Letícia Martins / EC Vitória / Divulgação)

'Estou esperançoso por uma possível volta', avisa Agnaldo Liz

Ex-técnico do time de aspirantes do Vitória fala sobre demissão provocada pela pandemia de coronavírus

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Agnaldo Liz já está bem longe de Salvador. Demitido no dia 19, o treinador voltou para Florianópolis, onde nasceu e morava com a família antes de ser contratado para comandar o time de aspirantes do Vitória no Campeonato Baiano. Ele deixou a capital baiana no sábado (20) e, ao lado da esposa Cláudia, encarou de carro os 2.620km até Santa Catarina. 

A viagem de volta durou quatro dias e foi bem diferente da que fez na ida. Além de uma perspectiva oposta à que tinha quando aceitou o convite para trabalhar na Toca do Leão pela quarta vez, a segunda como treinador, Agnaldo Liz viu na estrada os efeitos do vírus que tirou seu emprego. A pandemia de Covid-19 mudou o cenário visto pela janela. 

“Passei por vários estados e vi muitas coisas fechadas, como restaurantes. Não tive problema nenhum com combustível, os postos estavam abertos, mas sim com a questão de alimentação. Só algumas lanchonetes estavam atendendo e pela janela, tipo delivery. A gente fez as refeições dentro do automóvel”, conta Agnaldo Liz.

“Poucos carros no trajeto, caminhões rodando, mas não muitos. Eu e minha esposa gostamos muito de viajar de carro e essa foi a viagem mais tranquila que fizemos. Uma coisa que pude constatar é que abaixo do Espírito Santo estava tudo fechado, o pessoal respeitando muito estar nas suas casas. Na Bahia, o povo ainda com dificuldade, muita gente na rua”, relata o ex-treinador rubro-negro, que agora faz isolamento social, medida recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde com o objetivo de conter a propagação da Covid-19.

O isolamento causou uma situação atípica: o técnico não teve a oportunidade de se despedir pessoalmente de funcionários e atletas do Vitória. “Foi por WhatsApp”, afirma. “Fiz a despedida de todos os atletas e praticamente todos eles vieram falar no particular. Já saí dos grupos de WhatsApp de treinos e comissão técnica, mas antes de sair fizemos o pronunciamento e recebemos todo o carinho de atletas e funcionários do clube”, detalha. “Fiquei feliz de ter recebido o carinho das pessoas nesse momento”.

Agnaldo Liz foi comunicado sobre a demissão por telefone. Foi responsabilidade do gerente de futebol Alarcon Pacheco dar a notícia ao treinador. Antes, o presidente Paulo Carneiro já havia anunciado o fim do time de aspirantes através de um áudio enviado por aplicativo. A saída do técnico aconteceu dois dias depois da Federação Baiana de Futebol paralisar o estadual e do Vitória suspender as atividades na Toca do Leão por tempo indeterminado para evitar a disseminação do novo coronavírus. 

“Fui pego de surpresa com a nossa saída, mas o entendimento, lógico, é de que não poderia ser diferente. Lógico que a gente lamenta, porque foi algo planejado e estava conseguindo o crescimento da equipe dentro das expectativas do clube. Pegou o mundo todo de surpresa, até os Jogos Olímpicos acertadamente foram adiados. Foi uma atitude correta do nosso presidente nos liberar, não havia motivo ter 30 e poucos atletas e uma comissão sem ter o campeonato”, avalia Agnaldo Liz.

Ele não teve contato com Paulo Carneiro, mas tem esperança de voltar a ser convocado pelo presidente rubro-negro em breve. “A gente ia ter uma reunião e em seguida não foi possível, todos os funcionários foram liberados. Conversei com Alarcon sobre a decisão do presidente, mas não conversei com Paulo Carneiro ainda. A gente fica esperançoso, pelo trabalho desenvolvido, de uma possível volta se for necessário. Estamos à disposição", avisa o técnico de 51 anos.

Presidente do Sindicato dos Treinadores Profissionais do Estado de Santa Catarina e diretor da Federação Brasileira dos Treinadores de Futebol, Agnaldo Liz tem como plano imediato voltar a se dedicar às funções. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas