Evo Morales chega à Argentina e terá status de refugiado

mundo
13.12.2019, 09:02:52
Atualizado: 13.12.2019, 09:07:57
(HO / CTA / AFP)

Evo Morales chega à Argentina e terá status de refugiado

Ex-presidente estava no México, que lhe havia oferecido asilo político após sua renúncia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ex-presidente boliviano Evo Morales chegou ontem à Argentina, procedente de Cuba, e ficará no país com o status de refugiado para garantir sua proteção, informou o chanceler argentino, Felipe Solá. "Entrou na condição de asilado e depois passará a ter a de refugiado", explicou Solá a uma emissora local.

O ex-presidente estava no México, que lhe havia oferecido asilo político após sua renúncia, em 10 de novembro em meio a protestos, e à perda de apoio das Forças Armadas. Na semana passada, Evo viajou para Cuba para uma consulta médica. Há dois anos ele fez um tratamento de uma infecção na garganta com médicos na ilha.

Evo está "muito agradecido" de estar em Buenos Aires, segundo o chanceler argentino, que assumiu o cargo na terça-feira, após a posse do novo presidente, o peronista Alberto Fernández. O ex-presidente boliviano viverá na Argentina com seus dois filhos, que chegaram a Buenos Aires no dia 23 de novembro, depois de permanecerem quase duas semanas na Embaixada do México em La Paz.

"Não sabemos onde será sua residência. Ele terá de comunicar isso no período oficial de refúgio. Ele se sente melhor aqui do que no México, que está longe, e seus dois filhos estão aqui", ressaltou o chanceler argentino. "Queremos o compromisso de Evo de não fazer declarações políticas na Argentina. É uma condição que nós pedimos", afirmou Sola.

Evo chegou a Buenos Aires com o ex-vice-presidente Álvaro García Linera, a ex-ministra Gabriela Montaño e o ex-embaixador da Bolívia na OEA, que também estavam exilados no México. Os integrantes da comitiva pediram asilo na Argentina, que foi concedido na noite de quarta-feira pela chancelaria.

Ao chegarem a Buenos Aires, eles apresentaram o pedido de refúgio, que precisa ser outorgado pelo Ministério do Interior, caso seja verificado o cumprimento de uma série de requisitos. Diferentemente do asilo político, concedido por um governo sem a necessidade de justificativa, o estatuto de refugiado é mais amplo e o motivo para outorgá-lo deve ser justificado. O refugiado tem mais direitos e obrigações, segundo as normas migratórias argentinas. (com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas