Fraldas e muita fofura: Ruan Levine curte a paternidade

e.c. vitória
01.04.2020, 05:00:00
Atacante do Vitória, Ruan Levine se diverte com a filha Maya Gabriela, de apenas dois meses (Arquivo pessoal)

Fraldas e muita fofura: Ruan Levine curte a paternidade

Atacante do Vitória vivencia as primeiras emoções da filha Maya Gabriela enquanto as atividades na Toca do Leão estão paralisadas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Maya Gabriela tem apenas dois meses de vida e está tendo atenção do papai em tempo integral. Um privilégio já que ela é filha de jogador de futebol. Com os campeonatos paralisados e a Toca do Leão fechada por causa da pandemia de coronavírus, o atacante Ruan Levine está curtindo de perto as primeiros momentos da filha rescém-nascida. “A gente ganhou esse tempo a mais. Não era esperado, mas pra mim está sendo bom, porque estou aproveitando ao máximo o tempo com minha filha. Levo ela para tomar vacina, na pediatra... Se eu estivesse jogando, nada disso seria possível”, afirmou o jogador do Vitória ao CORREIO. 

Troca fralda, dá banho, coloca para arrotar. O papai de primeira viagem garante não ficar apenas fazendo bilú bilú e posando pra fotos. “Faço tudo e sempre tô ajudando minha esposa. Quando ela está com a bebê, tento ajudar nas atividades de casa”, avisa. “É bastante puxado, exige muito, é muita responsabilidade, mas tô conseguindo tirar de letra. É proveitoso e maravilhoso poder brincar e ver o sorriso dela todos os dias”, festeja o jogador de 21 anos, revelado nas categorias de base do Vitória.

Maya Gabriela nasceu no dia 24 de janeiro, na véspera da estreia do Vitória na Copa do Nordeste. Ruan Levine estava concentrado, mas foi liberado pela comissão técnica para viajar a Catu para acompanhar o nascimento da filha. Ele nasceu em São Sebastião do Passé, mas optou por um hospital particular na cidade vizinha. Teve o primeiro contato com a filha, retornou para Salvador e ainda entrou no final do segundo tempo do empate sem gols com o Fortaleza, no Barradão. 

Felicidade dupla, já que ele não jogava havia quase oito meses. No ano passado, Ruan Levine foi titular em seis das oito primeiras rodadas da Série B do Campeonato Brasileiro, mas rompeu o ligamento cruzado do joelho direito contra o Oeste, na última partida antes da pausa para a Copa América e precisou ser submetido a uma cirurgia de reconstrução.

Ruan Levine curte a avó Solange, a mãe Cenira, a esposa Sarah Manuelle e a filha Maya Gabriela (Foto: Arquivo pessoal)

Este ano, mais baques por contusão. Ele machucou a coxa no segundo jogo que fez, no empate em 1x1 com o Sport, também pelo regional, dia 1º de fevereiro. Só voltou a campo um mês depois, em 1º de março, para disputar o Ba-Vi do Campeonato Baiano com o time de aspirantes. Precisou deixar as quatro linhas no começo do segundo tempo por causa de uma nova contusão na coxa. De fora, viu o tricolor vencer por 2x1.

“Fiz o exame e a lesão já fechou. Agora, tô tentando manter as atividades prescritas pelo preparador físico aqui em casa mesmo. Peguei alguns aparelhos para fortalecimento de posterior, afasto o sofá, a mesa, e faço. Tô evitando ao máximo sair de casa, por causa da pandemia, já que minha filha é recém-nascida”, conta Ruan Levine, que mora com a esposa Sarah Manuelle em um apartamento próximo ao Barradão, no bairro Sete de Abril.

A transição física e o retorno aos gramados só mesmo quando as atividades forem retomadas na Toca do Leão, o que ainda vai demorar um pouco, já que a partir desta quarta-feira (1º) ele estará de férias, assim como todos os outros jogadores e funcionários do Vitória. O clube concedeu o benefício coletivo até 20 de abril e poderá prorrogá-lo por mais 10 dias a depender de como estiver o cenário da pandemia.

Ruan Levine está louco pra voltar a jogar bola, mas enquanto isso não acontece, aproveita para aflorar cada vez mais o lado família. Essa semana, até a avó veio visitá-lo. A saudade do neto fez dona Solange, 61 anos, descumprir o isolamento social e viajar de São Sebastião do Passé para Salvador. Nada de bronca. Ela ganhou beijos e palavras de amor. “Minha avó é minha mãezona também. Faz minhas vontades. Agradeço a Deus a avó que tenho e a amo muito”, declarou o mais novo papai rubro-negro. 



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas