Gás de cozinha vai sair por até R$ 110 em Salvador, alerta Sindicato dos Revendedores

salvador
14.06.2021, 21:46:00
Atualizado: 16.06.2021, 15:57:48
Gás de cozinha chega ao sexto reajuste em 2021; consumidor será afetado no preço final (Marina Silva/ Arquivo CORREIO)

Gás de cozinha vai sair por até R$ 110 em Salvador, alerta Sindicato dos Revendedores

Preço alto é causado pelo reajuste de 5,9% nas distribuidoras anunciado pela Petrobras

Com o reajuste de 5,9% no preço do gás de cozinha, conforme anunciado pela Petrobras, o produto poderá ser encontrado por até R$ 110 nas distribuidoras de Salvador. Isso é, pelo menos, o que alertou Robério Souza, diretor do Sindicato Dos Revendedores de Gás do Estado da Bahia (SinRevGás). “Muito provavelmente, em alguns polos, o consumidor encontrará por até R$ 110 reais. Nos locais mais caros é esse teto”, disse. 

Segundo Robério, a categoria está assustada com esses aumentos, que prejudicam todo o setor. “Esse já é o sexto reajuste na Bahia. A rede distribuidora assumiu alguns custos e não repassou para o consumidor, mas isso já está prejudicando o funcionamento de algumas empresas. Em nossas reuniões, podemos observar a fragilidade do segmento frente a essa realidade”, lamenta.  

Na Santos e Vieira Distribuidora de Gás, localizada em Dom Avelar, o empresário Jonathan Vieira diz que nem sabe como está conseguindo trabalhar por causa do preço alto dos produtos. “Nós estamos ficando num sufoco muito grande. Nossa revenda fica na periferia. A renda do pessoal vem pelo mercado informal e o povo tá sem dinheiro para comprar gás. A gente não pode repassar todo reajuste, senão eles não conseguem pagar. E a gente sofre com isso”, reclama.  

Nesta segunda-feira (14), o preço do GLP no estabelecimento ainda estava por R$ 78 na portaria, R$ 83 para entrega à vista e R$ 88 para entrega no cartão. 

“Se for contar todos os impostos que pago, os custos para manter o espaço e deixá-lo todo regularizado, nós temos menos de 20% de lucro bruto. Hoje minha empresa troca seis por meia dúzia para continuar aberta e honrar com os compromissos”, diz.  

Por causa da alta dos preços, a distribuidora teve que demitir um funcionário na semana passada, que atuava como motoboy. Hoje, toda a família de Jonathan contribui com a empresa, para ela não fechar as portas. O padastro Alexandre, por exemplo, passou a trabalhar como entregador. 

Clientes aproveitaram para comprar gás de cozinha antes do preço subir 
Na Santos e Vieira Distribuidora de Gás, ainda não foi batido o martelo que o preço do GLP vai aumentar. “Nós primeiro vamos ver como tá a praça para decidir. Mas é provável sim que haja algum reajuste”, disse o empresário. Os clientes mais espertos aproveitaram a oportunidade para adquirir logo o gás num valor mais baixo. Morador de Castelo Branco, Lismar Matos, 40 anos, fez justamente isso.  

“Aqui um botijão dura, geralmente, uns três meses e a gente sempre tem um extra. Mas como eu ouvi falar que o preço ia aumentar, resolvi logo comprar. Esses aumentos são um absurdo. Eu, no momento, estou desempregado, mas felizmente minha esposa e meu filho estão trabalhando, o que ajuda a manter a casa”, disse.  

O CORREIO acompanhou o momento da entrega do gás de cozinha do seu Lismar feito por Alexandre, o próprio dono da distribuidora que atua na região desde 2016. Na época, o preço do botijão era apenas R$ 43, ou seja, em cinco anos, o valor do produto dobrou. Segundo o diretor do SinRevGás, esses aumentos sucessíveis no preço causam mais problemas nas distribuidoras.  

“É toda uma cadeia que fica prejudicada, pois quanto mais alto o preço, cai a procura. O consumidor doméstico fica afetado, mas também aquele que usa o gás para trabalhar, fazer uma comida, vender. Tem muita gente que vende acarajé, doce e marmita que está deixando o ramo por causa do preço do gás”, conta Robério.

Confira a lista de aumentos do gá de cozinha em em 2021, segundo o SinRevGás:  

  • Janeiro  - Reajuste de 6,0% pela Petrobras 
  • Março - Reajuste de 5,0% pela Petrobras 
  • Março - Reajuste de R$1,49 pelo Governo do Estado 
  • Março - Reajuste de aproximadamente R$ 3,00 pelas distribuidoras  
  • Abril – Reajuste de 5,2% pela Petrobras 
  • Junho – Reajuste de 5,9% pela Petrobras 

Na distribuidora Roberto Gás, no Cabula, já não havia gás disponível desde sábado por causa do aumento da procura pelo produto no valor não reajustado. “Estamos vendo se chega hoje. O valor deve subir na hora”, disse o atendente, que não quis ser identificado.  

Já na Pontual Gás, localizada no Imbuí, ainda havia botijão de gás. Lá, o produto custava R$ 88 a vista e R$ 90 no cartão, ainda sem o reajuste. “Mas já deve aumentar novamente. Eu acredito que até o final do ano vamos chegar em R$ 100. Nossas vendas só vêm caindo, pois as pessoas estão deixando de comprar”. Lamentou a funcionária, que também não quis ser identificada.  

Quem precisa do gás de cozinha para trabalhar está se vendo apertado 
O Bagacinho Boteco, empresa de Karla Baqueiro localizada na Barra, requer três botijões de gás por mês. Com a alta no preço do GLP e dos alimentos, a empresária conta que os valores dos produtos tiveram que aumentar entre 2% e 8% em plena crise financeira gerada pela pandemia. “De coração, eu gostaria que não tivesse esse aumento, que eu não conseguisse passar para o cliente, mas não tem outro jeito”, diz. 

Hoje, Karla compra o botijão por R$ 95, mas já está se preparando para pagar um valor acima de R$ 100. “Não adianta comprar em locais que vendem barato, pois a durabilidade do gás é bem menor. Eu já fiz esse teste e sei do que estou falando. Tá tudo muito absurdo. Parece uma loucura o que estamos vivemos”, lamenta.  

Já Arlene Oliveira, dona do Bolo Bom Caseiros, disse que fica nervosa quando tem que pensar nesse assunto.

“Eu tenho que mirar nos 300, pois o fogão que eu uso para assar os bolos não é industrial. Então, eu tenho que assar de dois em dois e não compensa, pois eu não aumento o valor dos produtos para que ele seja comprado. É uma situação muito complicada”, conta.  

Mesmo com essa realidade difícil, ela não pensa em desistir. Usa as redes sociais para compartilhar seu trabalho e tem fé de que a situação vai melhorar. “Todo mundo que eu conheço está agoniado com esses valores. Como é que pode o gás parar em R$ 110? Nesse mês de junho eu esperava vender mais e logo agora o preço do gás aumenta. É muito triste”, conclui.  

A Central Única das Favelas (CUFA) realiza desde segunda-feira (14), de forma gratuita, a distribuição de botijões de gás para o projeto Mães da Favela em Salvador. Foram mil botijões ao todo, sendo que a metade ficou para terça (15). A ação é só para famílias que foram cadastradas no projeto. 
 

Confira 8 dicas para economizar o gás, segundo a Consul: 

1. Preste atenção no fogo - A cor do fogo pode dar sinais de impurezas acumuladas nos bocais do seu forno e fogão. A tonalidade da chama deve ser azul, se notar que ela está alaranjada ou amarelada, deve haver algum entupimento que pode te impossibilitar na hora de economizar. Limpe os bocais e, no caso das cores diferentes permanecerem, procure assistência técnica. 

2. Faça a manutenção do fogão - Mantenha a manutenção do seu fogão em dia. Isso pode te ajudar a diminuir o consumo do gás, pois, o seu fogão pode apresentar entupimentos nas bocas que não mudam a cor da chama ou mesmo vazamentos que podem acabar com o seu gás muito rápido. 

3. Organize os ingredientes e a cozinha - Se você costuma ligar o fogão antes mesmo de liberar a sua área de trabalho e de separar os ingredientes que vai precisar, provavelmente, você está perdendo tempo e gastando gás à toa. Deixar algo dourando ou refogando, enquanto se faz outra coisa, pode não só fazer com que a receita passe do ponto, como você pode estar deixando o fogo ligado por mais tempo sem necessidade. Por isso, ao lavar, picar e separar os ingredientes antes de começar a cozinhar, você economiza tempo e, o mais importante, gás. 

4. Pré-cozinhe certos alimentos - Se você tem o costume de preparar sempre pratos que possuem os mesmos alimentos, talvez seja interessante cozinhar de uma só vez em grande quantidade e congelá-los nas porções ideais para o seu consumo e da sua família. Desta forma, você economiza e só precisa finalizar no dia que for levar à mesa. Há ainda hábitos na cozinha que podem diminuir o tempo de cozimento, como deixar o feijão de molho de um dia para o outro, antes de levá-lo à panela de pressão. 

5. Use as tampas corretas - Quando economizamos no tempo de cozimento de uma receita, automaticamente estamos diminuindo o consumo de gás. Dessa forma, uma dica para conseguir fazer isso é usar a tampa do tamanho exato da panela, assim o alimento irá cozinhar mais rápido. 

6. Pré-aqueça o forno - Pré-aquecer o forno faz toda a diferença, tanto na hora de assar um alimento, quanto na economia do gás de cozinha. Por mais que o forno esteja vazio, essa etapa do cozimento é necessária para preparar o cozimento de bolos, carnes e legumes, fazendo com que o calor seja previamente distribuído em todo o forno e que eles fiquem na mesma temperatura, do início ao final do preparo. 

7. Planeje o uso do forno - Uma boa ideia é cozinhar pratos diferentes que usam o forno na mesma temperatura para cozinhá-los juntos. Talvez a sobremesa e o prato principal indo ao forno juntos, sempre tomando cuidado com os diferentes tempos de cozimento. 

8. Cheque o seu gás - Se na sua casa você tem um botijão, o processo de checagem é bem simples. De tempos em tempos, verifique as roscas do botijão de gás e os canos do fogão e forno. Além de te ajudar na economia, evita acidentes. 

Confira os preços de algumas revendedoras e distribuidoras de Salvador

Revendedora Preço à vista Preço no cartão Retirada no local Contato

Santos e Vieira

R$ 83 R$ 88 R$ 78 3233-3862
SOS Gás - Vale do Matatu R$ 96 R$ 98 Sem retirada no momento 3382-0502
Brasil Gás - Subúrbio R$ 90 R$ 93 R$ 85 3308-1020
Brasil Gás - São Caetano R$ 90 R$ 95 R$ 85 3303-218
Ele Shadai - Uruguai R$ 94 R$ 96 R$ 84 3312-4538
Brasil Gás - Costa Azul R$ 94 R$ 94 (débito)/ R$ 98 crédito R$ 92 3372-0672


* Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas