'Gostaria de estar em meu país agora', desabafa equatoriano Jordy Caicedo

e.c. vitória
07.04.2020, 05:00:00
Atualizado: 07.04.2020, 10:03:19
No sofá de casa, Jordy Caicedo se concentra no momento em que vai poder voltar a jogar bola (Arquivo pessoal)

'Gostaria de estar em meu país agora', desabafa equatoriano Jordy Caicedo

Em entrevista ao CORREIO, atacante do Vitória conta que não conseguiu passagem e revela novo procedimento no púbis

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Jordy Caicedo não conseguiu viajar para o Equador, onde gostaria de aguardar a pandemia passar ao lado da família. O apartamento onde mora é bem próximo à Toca do Leão, mas o centroavante do Vitória já não faz o caminho até o centro de treinamento, fechado desde o dia 18 de março para evitar a propagação do novo coronavírus.  

“Eu não posso ir para o meu país, porque não tem voos, nem daqui para lá e nem de lá para cá. As fronteiras estão fechadas e não posso viajar”, lamenta o jogador de 22 anos. “Gostaria de estar em meu país agora. É ruim ficar sozinho em outro país, mas sei que todo sacrifício tem sua recompensa. Eu me considero uma pessoa muito forte da cabeça e eu estou mais ou menos acostumado a ficar sozinho”, afirmou ao CORREIO.

A solidão tem sido driblada com muita música. Jordy é fã de salsa e da banda cubana Los Van Van. As séries do Netflix e algumas poucas conversas através do WhatsApp também ajudam. “Eu fico aqui em minha casa sozinho. Não sou de falar muito. Falo com minha família, amigos e trato de ficar em casa seguindo as regras da saúde. Quando tenho que fazer algum compra, saio e volto para minha casa”, contou o equatoriano.

Jordy Caicedo se recupera de uma cirurgia no púbis realizada no dia 5 de fevereiro. O atacante chegou a iniciar a fisioterapia na Toca do Leão, mas teve complicações e precisou passar por novo procedimento. “Minha operação foi um pouco difícil, tive alguns problemas. Eu tive uma inflamação há mais ou menos 15 dias. Precisou fazer outra abertura, limpar um pouquinho e voltar a dar ponto, mas agora eu já estou muito melhor”, relatou Jordy, que tem se exercitado em casa.

"Estou muito melhor da pubalgia, só que agora o mundo está com essa situação. Não posso treinar ou fazer fisioterapia, mas na minha casa faço algumas coisas para ir melhorando. Eu falei com o médico e ele disse que eu poderia fazer exercícios leves, nada muito forte, de fortalecimento. Tenho feito quase os mesmos exercícios que eu fazia na fisioterapia, muito leves, para ir fortalecendo de pouquinho em pouquinho”.

O equatoriano conta que os médicos do Vitória mantém contato com ele através do WhatsApp com frequência e também foram à casa dele para fazer a limpeza do curativo. "A ferida já está fechada e as dores que eu sentia já estão indo embora, já estou ficando melhor, graças a Deus", vibra Jordy, que ainda não entrou em campo esse ano. A previsão inicial era de que o atacante levaria quatro meses para se recuperar.

“Estou tranquilo e trato de olhar as coisas pelo lado bom. Eu sabia muito bem que a minha recuperação seria muito devagar pelas complicações que eu tive. Estamos numa pandemia e eu sei que é ruim, mas estou aproveitando para recuperar, para que eu já esteja 100% quando o campeonato voltar. Tenho muita fé que tudo isso vai passar logo”.

Primeiro equatoriano na história a vestir a camisa do Vitória, Jordy Caicedo chegou à Toca do Leão em julho do ano passado, fez 20 partidas e marcou seis gols. A última vez que o atacante esteve em campo foi no dia 15 de novembro, quando amargou a derrota por 2x1 para o América-MG, na antepenúltima rodada da Série B.

“Tenho muito tempo sem ir para o campo e tenho muita saudade de jogar, fazer gols e ajudar meu time, mas estou tranquilo, pois sei que para fazer a diferença tenho que ficar 100%. É fazer uma boa recuperação e depois trabalhar, trabalhar e trabalhar”, projeta Jordy.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas