Governo teme dificuldades na contratação de profissionais de saúde para Hospital da Fonte Nova

bahia
25.02.2021, 06:30:00
(Foto: Secom/Governo do Estado)

Governo teme dificuldades na contratação de profissionais de saúde para Hospital da Fonte Nova

Montagem de equipamentos do Hospital está praticamente finalizada

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Não há mais pendências estruturais no Hospital de Campanha da Arena Fonte Nova. Todos os respiradores e equipamentos já estão disponíveis, restando apenas alguns detalhes na montagem. Com isso, o Hospital aguarda mais duas definições para voltar a operar. A primeira é definir quem será a Organização Social (OS) responsável por sua gestão e a segunda é a mais difícil: contratar profissionais de saúde para trabalhar no local.

O primeiro problema começa a ser resolvido hoje, de acordo com o titular da Superintendência de Atenção Integral à Saúde (Sais), Igor Lobão. O prazo para recebimento de propostas é logo pela manhã. Segundo Lobão, algumas empresas já solicitaram o edital e todo o trâmite deve ser finalizado em breve.

“As propostas de interessados serão entregues até amanhã [hoje], finalizamos o processo com o vencedor já para início imediato da gestão do hospital da Arena Fonte Nova. Algumas OS's já requisitaram o edital e trarão propostas até esta quinta de manhã", explicou.

O segundo problema é conseguir contratar profissionais. Lobão explica que há uma dificuldade natural de formação de equipes porque os profissionais ou já estão em alguma outra unidade de saúde e não têm carga horária disponível “ou estão simplesmente exaustos”.

Lobão disse que conta com o apoio da imprensa par a divulgação quando houver a abertura dessas vagas e que, logo que fecharem a OS que vai fazer a contratação, eles começarão a campanha para conseguir profissionais.

A Arena Fonte Nova receberá 50 leitos de UTI e outros 30 leitos de enfermaria.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), a cada 10 leitos UTI são necessários sete médicos, 14 enfermeiros, 20 técnicos e 7 fisioterapeutas. Somente para os leitos de Terapia Intensiva, o hospital precisará de 35 médicos, 70 enfermeiros, 100 técnicos e 35 fisioterapeutas.

“A mobilização de equipe é um dificultador em todo o Brasil. A estrutura física está pronta, só precisamos que a OS comece a operação”, afirma Igor Lobão.

Para os 30 leitos de enfermaria, a estrutura básica é composta por três médicos, seis enfermeiros, 20 técnicos e dois fisioterapeutas. Isso sem contar o pessoal responsável por hotelaria, higienização, segurança e alimentação da unidade.

Na primeira fase da pandemia, o hospital de campanha da Fonte Nova contou com  100 leitos clínicos e 80 de UTI. A capacidade total da unidade é de 240 leitos, sendo 140 clínicos e 100 de UTI, que foram liberados progressivamente. Ele foi aberto em maio pelo governo do estado, com parceria da prefeitura de Salvador.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas