Grupo protesta em supermercado na Av. Bonocô contra morte de homem negro no RS

salvador
22.11.2020, 12:56:00
Atualizado: 22.11.2020, 13:10:51

Grupo protesta em supermercado na Av. Bonocô contra morte de homem negro no RS

Policiais isolaram o local, mas manifestantes permanecem na região

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um protesto contra a morte de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, foi realizado neste domingo (22), em Salvador. A manifestação aconteceu em frente ao supermercado Atacadão, na Avenida Mário Leal Ferreira (Bonocô), que integra a rede Carrefour. Beto, como a vítima era conhecida, foi espancado até a morte em unidade da rede em Porto Alegre, na sexta-feira (20).

A manifestação em Salvador começou por volta das 10h30. A Polícia Militar formou um cordão para proteger os portões do mercado e impedir que os manifestantes entrem na unidade, mas a tensão permenceu do lado de fora. 

Clientes dentro da loja observam a manifestação (Foto: Leitor CORREIO)

Houve atos de vandalismo por parte de algumas pessoas que quebraram um poste que servia de base para anúncios do mercado. O fato iniciou uma discussão entre manifestantes e clientes. A polícia foi chamda e, no momento, a tensão ainda está alta. Algumas bombinhas foram disparadas pelo grupo que protesta. 

Por volta das 10h50, o Atacadão anunciou o fechamento das portas do mercado, impedindo a entrada e a saída do local. O empresário Roberto Campello, 31 anos, que está no estabelecimento, contou que o clima entre os clientes do lado de dentro é mais tranquilo. Alguns continuam fazendo as compras, mas apenas pedestres podem deixar o estabelecimento. O grupo começou a dispersar por volta das 13h. 

Mais cedo, o coordenador da Torcida antifacista do Bahia, Bruno Tito, disse, em conversa com o CORREIO, que a morte do homem negro no Carrefour foi o estopim de uma luta contra o genocídio do povo negro no Brasil.

"Marcamos esse ato na sexta para hoje protestarmos contra o racismo, o genocídio do povo negro e em prol de Justiça para Beto. Salvador é uma das cidades mais negras fora da África e sofre com o genocídio do povo e juventude negra", afirmou.

O protesto foi convocado pela torcida organizada do Bahia, em conjunto com a Democracia Tricolor, a torcida LGBTricolor e apoiada por entidades do movimento negro, como a Unegro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas