Hoje nada de DR, Aleluia

trilhas
31.03.2018, 07:06:00

Hoje nada de DR, Aleluia

por Aninha Franco

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A semana que deslanchou no sábado de Aleluia foi panquérrima. Semana de escutar Lula chamar seus antagonistas de fascistas e cachorros doidos e de assistir Bolsonaro declarar que se for presidente, o Ministro do MinC será Alexandre Frota. Motivos cavalares para bater duas DRs, encher os cabelos cinzas de cinzas e jejuar, mesmo num sábado de Aleluia que ainda grelha Judas aqui e ali. Quem será que inventou essa ideia macabra de queimar Judas? Pergunto ao Google, e ele me responde que surrar e queimar Judas Iscariotes foi um hábito introduzido na AL pelos invasores ibéricos. Mil vezes melhor o comer dendê dos Africanos e depois deitar na Rede dos Tupinambás.

Mas nem os hábitos Africanos e Tupinambás têm me livrado de pensar coisas insanas, porque está complicado ser brasileira, porque o Brasil está perturbando os lúcidos, os racionais, os kantianos com o seu jeito ensandecido de ser sem lógica, sem lucidez, sem coerência. No Brasil, a lógica muda de nexo dependendo da necessidade de seus políticos. E quando esta semana santa acabar, amanhã, virá uma semana mundana brasileira com os próximos capítulos de Temer e Lula, os líderes dos partidos que conduziram a República brasileira ao frangalho.

A República iniciada na Salvador colônia há 469 anos, quando 6 caravelas estacionaram no Porto da Barra e desembarcaram Jesuítas, militares, o arrecadador de impostos, degredados e artesãos, está com seus dois líderes mais importantes dos últimos anos em situações esdrúxulas, um a um fio da prisão ou da decretação da impunidade, e o outro com todos os seus contatos próximos presos. Não é peculiar que o presidente de uma república não possa telefonar para nenhum amigo numa manhã de sábado porque todos estão presos? Não é extravagante que um cara eleito para combater a corrupção torne-se o garoto propaganda da impunidade?

Pois é, poderíamos ficar aqui batendo essa duas DR enquanto alguns Judas ainda são queimados e a carne volta às mesas dos carnívoros neste fim de semana, santa, em que a declaração estrondosa do Papa Francisco provocou pouco impacto. Não existe Inferno, nos garantiu o Santo Padre lá do Vaticano, este Estado que está conosco desde nossos primeiros momentos de Colônia, e continua – menos forte – nesses tempos de República esfrangalhada. Se não existe Inferno, existe Céu tive vontade de perguntar ao Google, mas desconfiei que ele tentaria me responder ideologicamente, e desisti.

O Inferno são os outros, lembrei de Sartre de quem lembro raramente, hoje, mas que já li muito, um dia. E fui ao Inferno de Dante, um Paraíso para quem ama a Poesia e li que “no inferno os lugares mais quentes são reservados àqueles que escolheram a neutralidade em tempo de crise.” E voltei ao Papa Francisco que disse a um jornalista que as almas daqueles “que se arrependem obtêm o perdão de Deus e vão entre as fileiras das almas que o contemplam (...) mas aqueles que não se arrependem e, portanto, não podem ser perdoados, desaparecem.”

Não, não, não! Sem partidos políticos, sem políticas públicas, sem líderes, sem lucidez e agora sem Inferno! Melhor que o Inferno exista, Papa Francisco! Aleluia!

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas