Homem é detido após retirar corpo da avó de túmulo e dançar com cadáver na rua

em alta
02.07.2020, 14:58:00
Atualizado: 02.07.2020, 23:11:03
(Divulgação)

Homem é detido após retirar corpo da avó de túmulo e dançar com cadáver na rua

Ele possui transtornos mentais e já teria tentado violar sepulturas outras vezes

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um homem identificado como André Augusto Januário da Silva, 32 anos, foi detido em Manaus, capital do Amazonas, após desenterrar o corpo da avó do cemitério Morro da Liberdade, localizado na Zona Sul da cidade, e dançar com o cadáver na rua. O fato aconteceu na madrugada desta quinta-feira (2) e, segundo a polícia, a família do homem informou que ele tem problemas psiquiátricos.

Ainda de acordo com informações da polícia local, ele foi levado para a delegacia e depois para um pronto socorro, onde deve ficar até receber alta. Depois que for liberado, o homem deve prestar depoimento sobre o caso. O homem não possui passagem ou antecedentes criminais, segundo a polícia, que informou ainda que o corpo da idosa foi devolvido à sepultura.

O homem saiu do cemitério com o cadáver nos ombros, caminhando pela rua, quando policiais foram acionados após ele ser visto dançando abraçado ao corpo a cerca de 1 quilômetro de distância do cemitério, no  Centro da capital.

O homem foi amarrado por populares e familiares num poste até a chegada da polícia. O corpo estava no chão no momento da chegada de policiais .

“Ele estava completamente transtornado e dizia o tempo todo que queria fazer na avó um transplante para trazê-la de volta à vida porque sentia muita saudade. Ele disse que iria doar todos os seus órgãos a ela”, afirmou o tenente Paulo Araújo, da 2ª Cicom, em entrevista ao G1.

"Familiares informaram que ele tem um laudo médico informando que ele tem transtornos mentais e que ele tinha interesse em resgatar, além da avó, outros familiares”, completou o tenente.

Outras tentativas de retirar corpo
De acordo com informações da 2ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que atendeu a ocorrência, familiares contaram o homem costuma ir até o cemitério para conversar com a avó, que morreu em 2018. aos 61 anos, e outros parentes enterrados no local.

Ainda segundo a PM, testemunhas informaram que o homem já havia tentado retirar o cadáver da avó do cemitério em outras ocasiões.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas